Você conhece a origem da palavra “histeria”? E o filme “Histeria”?

O livro “A casa da mãe Joana“, de Reinaldo Pimenta, nos traz curiosidades nas origens das palavras, frases e marcas num tom crítico, irreverente e satírico. Foi publicado pela Editora Campus – Rio de Janeiro, em 2002.

Abaixo, transcrevo a definição da palavra histeria:

“HISTERIA

Só em meados do século XX é que o machismo começou a perder força e se mostrar ridículo, simplesmente porque homens e mulheres não se davam conta dele, tão estranhado na nossa cultura. Uma vez que as palavras não se dissociam da realidade  – muito pelo contrário – muitas delas refletem a pretensa superioridade do macho sobre a fêmea.  Galinha ou vaca para uma mulher é uma ofensa; galo ou touro para um homem é elogio (garanhão). Mas quando o homem se prostitui, pronto, é galinha.

Com a palavra histeria deu-se coisa parecida. Veio do greto hystéra, útero, porque os antigos achavam que a histeria era causada por um desarranjo do útero e, portanto, tratava-se de um padecimento exclusivo das mulheres.

Na verdade, credite o absurdo mais à ignorância que ao machismo. Os antigos tinham muitas noções falsas sobre o corpo humano: o coração como sede da inteligência, o fígado como pêndulo do humor ECT. O genial filósofo e matemático francês, René Descartes ( 1596 a  1650), em seu estudos anatômicos, garantiu que a glândula pineal, no cérebro, seria o lugar da mente que “impele os espíritos para os poros do cérebro, que, então, os descarregam para os nervos e músculos”.

Nessa compota de absurdos, achar que a histeria era filha do útero não espantava ninguém. Mais tarde, o médico francês Louis Landouzy (1845 a 1917) assim definiu a histeria: “É uma neurose do aparelho gerador da mulher, repetindo-se por acessos apiréticios (sem febre) e tendo como sinal uma penosa sensação de estrangulamento”.

Não, minha senhora, furor uterino é outra coisa.”

Cena do filme Histeria (Hysteria), de 2012.
Cena do filme Histeria (Hysteria), de 2012.

Ficou interessado no filme?

Cinemascope---Histeria-PosterHisteria (Hysteria)

Ano: 2012

Diretor: Tanya Wexler.

Roteiro: Stephen Dyer.

Elenco Principal: Maggie Gyllenhaal, Hugh Dancy, Rupert Everett, Jonathan Pryce, Felicity Jones.

Gênero: Comédia.

Nacionalidade: Reino Unido/França/Alemanha/Luxemburgo.

No século XIX, muitas mulheres eram diagnosticadas com histeria. Segundo o Dr. Robert Dalrymple (Jonathan Pryce), famoso especialista em medicina da mulher, essa doença exclusivamente feminina “dominava” quase que população feminina de Londres. Por acreditar que a origem do problema encontrava-se no útero, ele tratava suas pacientes com longas massagens na vagina, provocando assim um outro efeito, mais conhecido como prazer sexual. Ao dar oportunidade para que o jovem Dr. Mortimer Granville (Hugh Dancy) começasse a dar consultas no seu consultório, o local passa a receber cada vez mais pacientes, provocando no rapaz um grave problema nas mãos. Disposto a combater a dor crônica que sentia, ela acaba descobrindo em um aparelho criado por seu amigo e inventor Edmund St John-Smythe (Rupert Everett) uma solução que iria atender a ele e também as mulheres: um massageador elétrico. Baseado em fatos reais sobre a criação do aparelho, também conhecido nos dias atuais como vibrador, consolo, entre outros nomes. (Adoro Cinema)


Você achou esse conteúdo relevante? Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS