Você conhece a diferença entre ser simples e ser simplista?

Por Josie Conti

“A simplicidade é o último grau de sofisticação.”

Leonardo da Vinci

Não é incomum que se confunda um conteúdo que visa simplicidade com um conteúdo simplista. Quanto mais simples a linguagem, maior o poder de comunicação. É possível transmitir conteúdos complexos de maneira simples assim como é possível tornar complicado algo simples.

Veja o exemplo de um dos poetas brasileiros reconhecido pela simplicidade de sua escrita:

“Sou livre para o silêncio das formas e das cores.”

Manoel de Barros

Quantas profundas e até mesmo complexas explanações e interpretações são possíveis a partir de um único verso dotado da mais pura simplicidade na escrita? O que Manoel de Barros fez incorporando em seus textos um vocabulário coloquial-rural e uma sintaxe que remete diretamente à oralidade, isso sem falar nos neologismos, é o que que Leonardo da Vinci certamente chamaria de “último grau de sofisticação”  através da simplicidade.

Abaixo uma definição bastante esclarecedora:

SIMPLES não é o oposto de complexo, mas o OPOSTO DE COMPLICADO.

A simplicidade é a ausência de extravagâncias, de exageros que são como armadilhas que te impedem de atingir os seus objetivos.

Nunca confunda uma pessoa simples com uma pessoa simplista.

O SIMPLISTA deixa de lado aspectos fundamentais dos objetivos.

Já quem enfatiza o SIMPLES tem a capacidade de filtrar aquilo que realmente importa daquilo que não acrescenta valor. A energia é concentrada naquilo que é necessário para cumprir seus objetivos.

Seja inteligente, simplifique!

Arte do designer brasileiro, Fernando Perottoni.
As carecas famosas em arte minimalista. Arte do designer brasileiro, Fernando Perottoni.
COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Josie Conti
Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, conjuntamente com sua equipe, trabalha prioritariamente na internet na administração funcional, editorial e publicitária de redes sociais e sites como CONTI outra, A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 9 milhões de usuários. Também escreve para as Revistas Contemporânea Brasil e Caminhos. É um exemplo de pessoa que mudou de profissão da área de atendimentos clínicos em saúde do trabalhador para reconstruir seu próprio caminho como editora de sites e blogueira. A formação em psicologia com passagens e especializações nas áreas da psicopedagogia, neuropsicologia, recursos humanos, clínica e saúde do trabalhador nunca foram perdidas e são utilizadas diariamente na escolha dos materiais, seleção de colunistas, em seus textos e vídeos . Acredita que a universidade deve ser um degrau construtor de conhecimento e senso crítico, mas nunca a definidadora de uma vida.

COMENTÁRIOS