Viajante do vento

Viajante do vento

Pudera ser
Viajante do vento
Para fazer das veredas incertas
Um céu de estrada
Aprazível de caminhar.

VIAJANTE
Fotografia Harris Rinaldi

Quisera na verdade
Ser o próprio vento –
Desejo pacóvio dirão
Os ajuizados sensatos
De pés no chão.
Direi, remansado
pela brisa acolhedora,
ser presente lisonjeiro
Mas não sendo afortunado
Pudera ser passageiro.
Viveria em bando
Como as gaivotas
E com elas, no mundo,
Daria mais de oitenta voltas.

Criança agraciada:
Bolinha de sabão
Aviãozinho de papel

[quote_box_right]”Se perguntarem por mim doravante
Diga sem peleja
“Tornou-se andante”
De pés no chão
No chão do céu
Pois aonde não me encontro
O vento sopra e me acha
Sopra forte –
Somente o vento forte
Põe a voar.”

Felipe Costa

[/quote_box_right]
Pipa empinada
Cabeça ao léu.

Padeço.
O vento, pérvio,
Agora obriga a parada:
Pés no chão,
Ajuizado tacanho,
Esperando a lufada.

Liberdade
Cor-de-nuvem,
Nuvem
Que faz morada no vento
E vive sempre em movimento.

Se perguntarem por mim doravante
Diga sem peleja
“Tornou-se andante”
De pés no chão
No chão do céu
Pois aonde não me encontro
O vento sopra e me acha
Sopra forte –
Somente o vento forte
Põe a voar.

Autor: Felipe Costa

Felipe Costa no Facebook

Isso é poesia! Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS