VI, PREFERINDO NÃO VER…

Por Gustl Rosenkranz

Vi olhares perdidos e olhos profundos, marcados pelo sofrimento, pelo cansaço e por noites mal dormidas, semblantes escuros curtidos pelo sol, rostos envelhecidos precocemente, bocas sem dentes, mãos enrugadas e pele seca.

Vi olhos famintos nas filas de supermercado, comprando pouco, desejando mais. Vi gente enchendo o carrinho de compras, sonhando ser rica por um instante, “comprando” de tudo que é caro e que se crê que seja bom, porém, sem dinheiro que permitisse tamanha aquisição, mas sonhando pelos corredores até chegar ao caixa, puxando da montanha de consumo somente um quilo de açúcar e uma margarina da marca mais barata, pagando cabisbaixo com dinheiro contado e retirando-se envergonhado pela humilhação, sóbrio com a realidade lá de fora e também lá de dentro de sua casa.

Vi pessoas penduradas em portas de ônibus, em dia de chuva, sendo transportadas de forma mais perigosa que gado, esses mais valiosos para os proprietários do que gente de periferia para a sociedade.

Vi uma obra de metrô enorme, cara, feia e inacabada, resultado de corrupção e falta de escrúpulo de governantes e empresas, que se enriquecem cada dia mais às custas de um povo sofrido.

Vi pés saindo de uma caixa de papelão, que desmontada e rasgada servia de cobertor e abrigo para dormir, ou para fingir que dorme para distrair a fome, cobrindo até o rosto, deixando livres somente aqueles pés negros e sujos, marcados por muitas andanças e com unhas podres, corroídas por algum fungo.

Vi rostos medrosos diante da violência, rostos voltados para o chão, enquanto bandidos fardados pregavam hipocritamente que eram bandidos aqueles cidadãos, pobres, negros e mulatos, que por serem muitos e não serem nada, não tinham reconhecido seu direito de ser gente.

Vi polícia batendo, gente apanhando, outros rindo e regozijando-se pela miséria de outros coitados, esquecendo-se que eram eles mesmos coitados também, rindo talvez por desconcerto, desconforto ou gratidão e medo, por saberem que a próxima talvez seria sua vez, de tomar tapas, de ser xingado ou mesmo levar bala, mesmo sem nada ter feito, talvez por somente serem pobres (e negros?).

Vi pessoas vivendo em casas sem reboco, por falta de dinheiro, mas gastando dinheiro para comprar cerveja, vinte reais que faltam para um saco de cimento, mas cinqüenta que bastam para uma grade de cerveja, contradições alcoólatras, coisas sem nexo, porém reais.

Vi celulares passeando pelas ruas, levando pessoas puxadas pelas orelhas, as dominando, as escravizando, tornando-as dependentes, apêndices de um aparelho vivo, claro, mas muitas vezes morto por falta de crédito.

Vi homens rebolando, bêbados, drogados, perdidos, muitas vezes armados, animais, gritando, azucrinando outros, música alta, pagode solto, palavrões e canções, texto “infantil”, insensato, sexista, imbecil.

Vi cães maltratados por pessoas egoístas, que os tratavam como gente, ou melhor que gente, com tudo em excesso, carinho, comida e até roupa, paparicos e beijinhos, os carregando no colo e se autojulgando justos protetores de animais, mas enxotando meninos que pediam comida. Vi outros cães maltratados pela pobreza e por pobres, que gostam de bichos, mas não os respeitam, já que eles mesmos nunca foram respeitados. Vi outros cães soltos nas ruas, calazar e sarnas, pulgas e carrapatos, vivendo de lixo e pedradas, sentindo na pele e no pelo o que é viver no meio dos homens sem serem desejados.

Vi olhos jovens cheios de esperança e utopia, desejos e otimismo, mas se perdendo aos poucos no mundo insano e alcoolizado dos adultos. Olhos jovens avermelhados, vazios, devassados, acusando a droga no sangue e na mente. Jovens que vão à escola e pouco ou nada aprendem, ou que não vão à escola e aprendem da vida e da rua. Vi o futuro do país sendo desperdiçado, comido pelas drogas, violência social daqueles que terão que consertar uma realidade sem conserto que herdarão de nós.

Vi crentes descrentes, gritando para Deus como se ele fosse surdo e demonizando tudo à sua volta, falando de amor por alto-falantes, mas sem amar, exigindo tolerância sem tolerar, chamando o candomblé de coisa do diabo, discriminando homossexuais abertamente, construindo templos assustadores, hipocrisia cristã baseada em evangelho torcido em nome do Pai.

Vi meninas moças sendo assediadas por homens adultos, pais, avôs, tios e vizinhos, turistas e até professores, abusando de forma extremamente animal daquilo que deveria ser o mais sagrado: da inocência infantil.

Vi gente “fina” tapando o sol com a peneira, vivendo na ilusão ilusória de quem se julga ser mais do que é, gente que se acha importante, seres superiores, que não assumem seu papel e sua obrigação naquele cenário tão injusto, simplificando o complexo e culpando o pobre pela pobreza que lhe é imposta.

Vi gente se enganando, entregue ao consumo, “curtindo” a vida, festejando todos os dias uma festa eterna, sem assumir sua responsabilidade adulta pela realidade à sua volta.

Vi miséria, injustiça, ignorância e indiferença, uma sociedade imatura que pouco faz e muito promete. Vi gente sofrida aplaudindo políticos ladrões como se fossem deuses. Vi gente se humilhando e chamando “rico” de “doutor”, doutorecos cheios de doutorices, mas que nada sabem e pouco têm a oferecer .

Vi tudo isso. Vi a Bahia. E fiquei triste.

Pobreza-baiana
Foto: Deise Franziska
blog
Leia mais artigos
COMPARTILHE
Gustl Rosenkranz
Como já diz o nome de meu blog, escrevo fazendo uso de uma das liberdades mais essenciais que temos: a liberdade de pensar. Escrevo sobre o que passa por minha cabeça, sobre coisas que vejo, escuto e vivencio diariamente, enfim, escrevo sobre a vida e suas facetas, sobre o mundo e suas entranhas e sobre o ser humano, com seus sonhos, medos e esperanças. Escrevo sem “luvas”, tocando no assunto, menos preocupado em agradar do que em mexer com o leitor, de forma clara, até mesmo carinhosa, mas sempre suavemente subversiva e profunda.



COMENTÁRIOS