“Uma Mente Brilhante”, um filme sobre um grande homem e sua luta contra a Esquizofrenia

Uma Mente Brilhante ( A Beautiful Mind) é um filme de Ron Howard (2001) que faz uma biografia dramática de John Nash, um matemático prolífico e de pensamento não convencional, que consegue sucesso em várias áreas da matemática e uma carreira acadêmica respeitável.John é esquivo e arrogante tendo dificuldades sérias na área afetiva. Desenvolve sua mente lógica sem conseguir abrir o caminho para o coração.

Desde o início fica claro que John, muito bem interpretado por Russel Crove, delira em seu quarto e cria um personagem de suas visões, ao qual chama por Charles Herman. Assim, ele age através de sua imaginação até chegar ao ponto de confundir fantasia com a realidade e penetrar por inteiro nesse universo criado pela esquizofrenia. Para John, seus delírios e visões são reais e o sofrimento aumenta quando casa com Alicia, após ser chamado a fazer um trabalho de criptografia para o governo dos Estados Unidos.

Ele sente uma constante perseguição causada pelas inúmeras alucinações. Já com um filho de Alicia, John tem sua primeiro grande surto, é hospitalizado, leva eletro choques e perde seu status temporariamente na Universidade de Princeton. Aos cuidados médicos passa a tomar remédios e se isola com a mulher e o filho. Contudo, insatisfeito, por não estar produzindo, John, para a medicamentação, passa a se agitar, sem que a mulher perceba, cria de novo seu mundo psíquico, alienando-se em um quarto da garagem.

Nash tem seu segundo surto, pior que o primeiro, conversa com a equipe médica e os convence de que terá que conviver com a esquizofrenia, pois acredita na sua força de vontade, sem remédios, sem choques, só com a compreensão e o amor de sua mulher. Ele precisará usar de toda a sua racionalidade para distinguir o real do imaginário e voltar a ter uma vida razoável de volta à Universidade de Princeton.

Os delírios são ideias falsas das quais o esquizofrênico tem perfeita convicção e as alucinações são percepções falsas dos sentidos. A mais comum é a alucinação auditiva que o conduz e controla dentro de sua cisão psíquica. Apesar de já estar mais velho, John consegue, de um modo admirável, conviver com os poucos amigos e resgatar sua lógica matemática, além de seu desejo de ensinar aos jovens dos quais se afastava na sua paranoia por medo de ser percebido pelos mesmos. A mensagem do filme é positiva, pois nos mostra que a esquizofrenia existe, mas pode ser atenuada pelo amor, ou seja, abrindo a linha da afetividade que sempre fora travada durante sua juventude, até apaixonar-se por Alicia. É uma lição de vida sofrida que alcança a felicidade pelo desejo de conseguir seus ideias através do amor e não da lógica fria e distante da realidade. Alicia o acolhe em todo seu trajeto. John ganha um prêmio por uma tese em economia e é reconhecido no meio acadêmico, contudo seu maior prêmio, a lógica de sua vida é retomada pelo amor de Alicia e seu filho. Um exemplo estoico de batalha contra a loucura a qual combateu por uma vida inteira.

COMPARTILHE
Fernanda Villas Boas
Fernanda Luiza Kruse Villas Bôas nasceu em Recife, Pernambuco, no Brasil. Aos cinco anos veio morar no Rio de Janeiro com sua família, partindo para Washington D.C com a família por quatro anos durante sua adolescência. Lá terminou o ensino médio e cursou um ano na Georgetown University. Fernanda tem uma rica vida acadêmica. Professora de Inglês, Português e Literaturas, pela UFRJ, Mestre em Literatura King´s College, University of London. É Mestre em Comunicação pela UFRJ e Psicóloga pela Faculdade de Psicologia na Universidade Santa Úrsula, com especialidade. Em Carl Gustav Jung em 1998. É escritora e psicóloga junguiana e com esta escolha tornou-se uma amante profunda da arte literária e da alma, psique humana. Fernanda Villas Bôas tem vários livros publicados, tais como: No Limiar da Liberdade; Luz Própria; Análise Poética do Discurso de Orfeu; Agora eu era o Herói – Estudo dos Arquétipos junguianos no discurso simbólico de Chico Buarque e A Fração Inatingivel; é um fantasma de sua própria pessoa, buscando sempre suprir o desejo de ser presente diante do sofrimento humano e às almas que a procuram. A literatura e a psicologia analítica, caminham juntas. Preenchendo os espaços abertos da ficção, Fernanda faz o caminho da mente universal e daí reconstrói o caminho de volta, servindo e desenvolvendo à sociedade o reflexo de suas próprias projeções.



COMENTÁRIOS