Tudo o que eu quero para esta noite é um miojinho

Como é bom aquela noite no mês em que a gente se arruma toda, coloca o vestido decotado, a lingerie de renda, o batom carmim, o rímel importado, escolhe um lugar especial para ir jantar com o namorado. Pesquisa com cuidado um restaurante bonito, requintado, que serve comida diferente, cheia de detalhes, um vinho importado, uma sobremesa incrementada.

Uma noite especial pra gente quebrar a rotina, gastar o salário, e sentir agradando a si mesma, como se fosse uma noite de princesa.

E para ser princesa, para viver essa ilusão toda, a gente se esforça, se transforma, a gente cria a atmosfera e espera o melhor de cada momento. Assim a gente valoriza mais a vida.

Mas, sinceramente, numa noite como esta de hoje (e como tantas outras), é bom eu deixar aqui registrado, falar alto, e agradecer ao bendito chinesinho que inventou esse macarrãozinho! Que a minha felicidade de hoje é comer um miojo quentinho debaixo do cobertor.

Ah, o meu miojinho! Ele está ali sempre que eu preciso, pra matar a fome, pra quebrar um galho para tapar o meu buraco no estômago. Ele é a resposta mais fácil, acessível, rápida. Vira uma sopa que me conforta o corpo, traz sabor da infância, nem muita louça suja.

Vai bem na frente da TV, combina com a minha calça velha (e mais confortável) de edredom, combina com filme ruim, com cabeça que não quer pensar em nada, com final de domingo.

Ele pode não ser nada requintado, criativo, mas ele sabe me esquentar por dentro.

Ele não liga para o prato, para a mesa, para o talher, para a mulher que segura o bow, ele não se importa se a calcinha é velha, se é madrugada ou meio da tarde. Ele é companheiro, para o que der e vier!

Não precisa de luta, não precisa de jogo de cintura, não precisa de grande investimento de tempo, dinheiro e energia.

Talvez ele não alimente com muitos nutrientes os meus sonhos indecisos. Mas ele sacia a fome do meu corpo e ampara a carência da minha alma.

De vez em quando é bom um jantar de gala. Mas para todos os dias, bom mesmo é o que está bem ali no armário da cozinha. E que minhas mãos não precisam fazer força nenhuma para alcançar!

Imagem de capa: Alpha_7D/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Clara Baccarin
Clara Baccarin escreve poemas, prosas, letras de música, pensamentos e listas de supermercado. Apaixonada por arte, viagens e natureza, já morou em 3 países, hoje mora num pedaço de mato. Já foi professora, baby-sitter, garçonete, secretária, empresária... Hoje não desgruda mais das letras que são sua sina desde quando se conhece por gente. Formada em Letras, com mestrado em Estudos Literários, tem três livros publicados: o romance ‘Castelos Tropicais’, a coletânea de poemas ‘Instruções para Lavar a Alma’, e o livro de crônicas ‘Vibração e Descompasso’. Além disso, 13 de seus poemas foram musicados e estão no CD – ‘Lavar a Alma’.

COMENTÁRIOS