Tudo em seu devido lugar

Por Elika Takimoto

Quando somos bem ou mal educados por uma família achamos natural o que vemos ou ouvimos em casa. Ao cair no mundo, começamos a estranhar as diferenças e questionar o certo e o errado em vários referenciais diferentes da nossa morada. Quando fui pela primeira vez para a escola com seis anos, deparei-me com o fato de estar aprendendo algo errado com meus pais como a pronúncia das palavras. A partir de então, comecei a fingir que acreditava em tudo o que eles me diziam sem mais nem sequer prestar muita atenção na forma em que as palavras eram articuladas.

(Papai é japonês e possuía dificuldades naturais à sua etnia com erres e eles. Marília, colírio, por exemplo, eram um plobremaço. Mamãe, por causa de um fenômeno fonético já explicado por historiadores e que nada compromete a sua inteligência, falava Cráudia, chicrete, pranta, ingrês, frauta,…o que atrapalhava menos a papai do que a nós que aprendemos a nos expressar com os dois.)

Dentro apenas de mim mesma, decidi que não mais limitaria a duas pessoas a responsabilidade de ensinar-me o que era o direito e o desacertado a fazer nessa vida. E aos quatorze anos, já namorando com  aquele que seria o meu marido, comecei a frequentar uma residência muito distinta da minha, a começar pelo número reduzido de pessoas: a casa organizada da minha sogra. Um porta-retrato tirado do lugar e recolocado em um ângulo diferente era percebido e imediatamente reajustado de forma que em qualquer cômodo da casa em que entrávamos, tudo estava milimetricamente em ordem e organizado como nos cenários de novela. E em matéria de limpeza era tal e qual um bom consultório de dentista. Minha sogra havia me ensinado que a casa da gente reflete como anda a nossa cabeça. Se nos deparamos com um ambiente sem ordem, dizia ela, pode ter certeza de que a pessoa que lá vive está de alguma forma descompensada. Achei aquilo o máximo e mega correto.

Com o tempo, ao voltar para a minha vivenda o que jamais me incomodava começou a me importunar: a bagunça feita pelos meus irmãos e também pelos meus próprios pais. Fosse nos quartos, na sala, no banheiro ou na cozinha eu ficava boquiaberta com o desleixo de todos e fazia o que deveria ser feito: arrumar, pois assim os ajudaria a encontrar o equilíbrio interno que lhes faltava.

Aconteceu que um dia, já com mais idade, fui a uma confraternização de final de ano na casa do tio Nero e da tia Neide, pais da prima Silvana, parentes de minha sogra. Lembro-me como se fosse hoje o que senti ao observar aquela moradia em que visitei somente uma vez. Era tudo muito simples, os tios recém-conhecidos eram pessoas extremamente humildes, mas não havia dúvidas que cuidavam daquele simpático cafofo com muito amor e carinho a despeito de ter nitidamente objetos fora do lugar. Não hesito em dizer que ali foi um dos lugares mais bonitos em que já pisei.

Alguns meses se passaram. Recém-casada e completamente neurótica com a arrumação, por algum motivo ligado a comemoração e festa, fomos à casa da prima Silvana, lá no Recreio. Casa grande, bonita, em condomínio fechado e tudo! Tio Nero já era falecido, mas a tia Neide estava lá. Viria a deixar saudades de sua doçura pouco tempo depois. Como de costume, Silvana, uma mulher que aos meus olhos era bem resolvida e super determinada, convidou-me para conhecer a parte de dentro daquela imponente habitação e eu aceitei prontamente cheia de curiosidade.

A casa estava uma zona segundo meus novos parâmetros sograis! Silvana nem sequer se desculpou e mostrava cada cômodo bagunçado por seus filhos eu diria até com muito orgulho. Assim foi com a sala cheia de fitas e consoles de vídeo-game, com as camas removidas e as roupas jogadas no quarto das meninas. Mas, de uma forma estranha, senti exatamente o mesmo de quando pisei na casa de seus pais. Mais uma vez, eu estava dentro de um lar cheio de vida bem vivida.

Onde a minha sogra havia errado quando disse que anarquia de nossa casa reflete a balbúrdia de nossa mente? Em parte, ela tem razão, pois, nossa casa deve ser o centro de resolução de nossos problemas. E, para ser um local onde vivem companheiros que, mesmo na divergência, se apóiam e nas lutas se solidarizam, é bom que este seja realmente limpo e organizado. Mas, eu agora acrescentaria: de uma forma que nos reconheçamos e que nos identifiquemos quando estamos nele. Para que tenhamos pressa em chegar e para que retardemos ao máximo a nossa saída, a nossa morada deve ser arrumada de um jeito que nos sobre tempo de viver nela. 

Há de se gastar alguns minutos afofando as almofadas, esticando lençóis, limpando, esterilizando, quiçá ajeitando os porta-retratos!  Mas nada que impeça um ‘quando’ bem demorado para tirar os livros das estantes e um ‘onde’ bem espaçoso em que as crianças possam ser criativas. A forma em que vivemos em nosso lar não deve nos envergonhar mas sim nos encher de orgulho diante das visitas. E isso, a despeito de toda a admiração e carinho que tenho pela minha sogra, eu aprendi mesmo foi com os meus pais. Só percebi que eles estavam certos quando tive o prazer de conhecer tio Nero e  tia Neide e o  deleite de ser apresentada ao angu de caroço da prima Silvana pelos seus olhos repletos de vanglória.

CHILDE HASSAM e se chama A sala das flores.
O quadro que ilustra esse texto é de CHILDE HASSAM e se chama A sala das flores.
COMPARTILHE
– Segunda colocada no 1º Prêmio Saraiva: Literatura, categoria: crônicas.– Doutora em Filosofia pela UERJ.– Mestre em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia pela UFRJ.– Graduada em Física pela UFRJ, professora de Física do CEFET/RJ.– Autora dos livros:1- História da Física na Sala de Aula – publicado pela Editora Livraria da Física.2- Minha Vida é um Blog Aberto – será lançado agora no segundo semestre pela Editora Saraiva.3- Isaac no Mundo das Partículas – livro infantil sobre Física de partículas e filosofia da ciência para crianças. Ainda não publicado.4- Como Enlouquecer seu Professor de Física – um livro sobre Filosofia da Ciência para jovens e adultos. Ainda não publicado.5- Filhosofia – um livro de crônicas sobre seus três filhos, ainda não publicado.6- Tenso, logo escrito – um livro de crônicas escritas motivadas pelo sofrimento. Ainda não publicado.7- Penso, logo escrito. – um livro de crônicas onde há muitas reflexões. Não publicado.8- Eu conto – Um livro de contos. Ainda não publicado.9- O que há de Metafísica na Física? – A sua tese de doutorado que futuramente virará livro.



COMENTÁRIOS