Troque gente falsa por paçoquinha!

Às vezes a gente precisa fazer uma bela faxina no conteúdo humano à nossa volta; sacudir a poeira, levar à luz, esfregar um bom sabão para extinguir aquelas pessoas que gravitam em nosso entorno com o único objetivo de sugar a nossa energia.

Gente falsa é igual àquela florzinha “Maria-Sem- Vergonha”! Dá em todo lugar! A florzinha, em todo caso, tadinha… é bem bonitinha. E eu não entendo nada de botânica, mas suponho que ela também nem seja uma parasita, ou coisa que o valha. Já gente falsa… Virgimaria! Eita povo para se aproveitar, enganar e subtrair bens alheios. Chamá-los de parasita seria até um elogio!

O que dificulta um bocado as coisas é que a falsidade requer daqueles que a praticam um grau aquilatado de habilidades sociais. São aqueles espécimes que chegam devagarzinho, como quem não quer nada. Tratam de ser sedutores, solícitos, estão sempre disponíveis para oferecer conselhos e sugestões. Tudo enganação!

Essa gente quer mesmo é juntar conhecimento acerca da nossa vida e provas acerca das nossas falhas. Aí… no momento oportuno, na horinha certa, nem cedo, nem tarde… dão o bote! E a gente acaba com aquela cara de “Oi?!”… sem entender da onde foi que veio o tsunami que levou nossas coisas e pessoas mais preciosas embora.

Ninguém está livre de praticar uma “falsidadezinha” aqui, outra ali… Sejamos sinceros, não é mesmo? Quem é que nunca elogiou uma comida esquisita por educação? Quem é que nunca sorriu para o chefe, por precaução? Quem é que nunca fingiu que não escutou um desaforo para encurtar a conversa? Enfim… faz parte da natureza humana esse joguinho social de boa vizinhança. Mas, é preciso muito cuidado! Porque esse negócio de fingir o que sente pode acabar virando um hábito. E ninguém – ninguém mesmo! -, está imune ao perigo de virar um modelo de primeira linha no quesito falsidade.

Agora… Que tem gente que curte o lance de sacanear os outros… Ahhhhh… isso tem! Seria ótimo se essas pessoas viessem com uma tarja sinalizando o risco que oferecem; algo como aquelas mensagens que vêm escritas no maço de cigarro, com fotos ilustrativas das consequências desastrosas e tudo mais! Mas, qual nada! É dificílimo detectar a essência de uma criatura falsa. Essa é justamente a especialidade delas!

No entanto, veja bem… Tem aquela pessoa que você já sacou que é tipo “made in China”, já te derrubou, já te deu rasteira, já te fez de trouxa e você fica aí fazendo de conta que não viu, que não ouviu e que não sabe de nada.

Quer saber… Aproveite a época de quermesses juninas e troque essa gente falsa por uma boa paçoquinha. Mande a criatura ir dançar em outra quadrilha, se enfiar em outro anzol de pescaria. Ofereça esse traste de gente como prêmio no Bingo. Se alguém quiser levar, que faça bom proveito. Se ninguém quiser, mande para a reciclagem! Quem sabe a cara de pau da criatura não vira algo mais útil como um pauzinho de picolé, por exemplo… vai saber, né?

Imagem de capa meramente ilustrativa: cena do filme “Mr. Robot”

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Ana Macarini
"Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!"

COMENTÁRIOS