Traição virtual é traição?

A traição não é algo dos tempos modernos, sempre existiu em todas as sociedades. Sempre foi um tema abordado em filmes, livros, novelas e outras artes. Entretanto, o que é novo é a forma de traição: virtual.

Cada vez mais, tanto no consultório convencional quanto no virtual, recebo essa demanda: “Estou traindo virtualmente ou fui traída(o) virtualmente. O que fazer? É considerado traição?”

E na grande maioria das vezes, as pessoas têm dúvidas se um relacionamento extraconjugal virtual é considerado uma traição de fato ou apenas um passatempo “inocente”.

Para algumas pessoas, a resposta parece ser óbvia, entretanto percebo que para a grande maioria, a dúvida impera a ponto de engessar qualquer atitude ou decisão sobre o assunto e não é para menos.

Observo que tal dúvida seja por essas três principais circunstâncias: 1. A traição virtual é relativamente nova, comparada ás traições “convencionais”, existe há menos de 20 anos e, dessa forma, não há um exemplo de como “resolver” a situação; 2.  crença de que enquanto não houver o contato físico, não há traição consumada; e 3. A visão de que o mundo virtual existe totalmente a parte do mundo real.

 
O conceito de traição:

Em uma breve pesquisa pelo significado da palavra “Traição”, encontramos: Ação de trair alguém; perda completa da lealdade que resulta de uma ação traiçoeira.

E essa ação pode acontecer no ambiente de trabalho, social ou em relacionamentos amorosos. Entretanto, nesse texto, falemos de traição na relação afetiva.

Os principais antônimos de traição são: fidelidade e lealdade. 

Principais motivos que levam as pessoas a traírem:

1-Insatisfação com o parceiro e com a relação afetiva e sexual;
2-Busca pela sensação de perigo;
3-Monotonia da relação amorosa;
4-Procura por sensações novas;
5-Controle excessivo do parceiro (a);
6-Falta de habilidades em lidar com as dificuldades da relação;
7-Novas experiências afetivas e sexuais;
8-Ausência de objetivos comuns;
9-Falta de diálogo entre o casal.
 
Consequências da traição:

Estas são diversas, mas se dão de acordo com algumas variáveis, por exemplo: as mulheres tendem a perdoar mais facilmente por questões culturais, dependência afetiva e econômica e para preservar a família. No caso dos homens, na grande maioria das vezes, tendem a não admitirem que foram traídos, pois a sociedade aceita melhor a traição masculina que a feminina.

Entretanto, o fator relevante para as consequências é se a traição tornou-se pública ou se foi confidenciada apenas ao traído (a), nesse caso é mais fácil de se perdoar, enquanto que a pessoa traída publicamente, sente a necessidade de tomar uma atitude perante a sociedade.

 
E a traição virtual?

Diferente da traição que ocorre há milênios, onde qualquer pessoa pode dar sua opinião a respeito do assunto, a traição virtual, por ser um comportamento relativamente novo, há grandes divergências de pensamentos.

Homens e mulheres traem por diversos motivos, entretanto isso não significa necessariamente que não haja amor, mas, certamente, deixa exposto que há um problema na relação e que deve ser revisto pelo casal.

A internet acaba por ser um terreno fértil para a traição, pois permite o anonimato (pode-se criar um personagem), existe uma proteção da pessoa que trai ( deleta-se e-mails e até a outra pessoa facilmente) e, por ser virtual, a imaginação e a fantasia constroem uma relação com  a pessoa do outro lado da tela, totalmente idealizada e que jamais será alcançada num relacionamento real.

Creio que a traição virtual é um tema que deve ser conversado entre o casal. Faz-se importante saber o que os conjugues pensam a respeito do assunto.

Duas perguntas simples, mas que podem abrir para uma grande reflexão: Havendo um relacionamento virtual afetivo com outra pessoa é infidelidade? É considerado traição apenas o contato físico?

Obviamente que a traição não é uma ação adequada e muito menos a melhor forma de resolver os conflitos dos relacionamentos, entretanto não dá para fechar os olhos diante desse comportamento. Em tempos onde a internet proporciona diversos serviços e facilita relacionamentos entre as pessoas, faz-se importante pensar nesse tema.

Proponho que conversem com seus amigos, familiares, parceiros ou cônjuges, tenho certeza de que se surpreenderão com as opiniões diversas sobre esse assunto.

COMPARTILHE
Elisangela Siqueira
Psicóloga com especialização em Psiquiatria e Psicologia da Infância e da Adolescência e em Psicoterapia Psicanalítica Breve. Mais de 10 anos de experiência. Atendimentos presenciais e online.



COMENTÁRIOS