Tao: o caminho sem meio

Por Tatiana Nicz

“Trinta raios convergem para o meio de uma roda
Mas é o buraco em que vai entrar o eixo que a torna útil.

Molda-se o barro para fazer um vaso;
É o espaço dentro dele que o torna útil.

Fazem-se portas e janelas para um quarto;
São os buracos que o tornam útil.

Por isso, a vantagem do que está lá
Assenta exclusivamente
na utilidade do que lá não está.”

Tao Te Ching (道德經), Cap. 11

Os ensinamentos budistas são implacáveis na questão do caminho do meio, mesmo quem não conheça nada ou quase nada de budismo já ouviu falar no caminho do meio. Eu, como uma boa libriana que nunca se equilibra, acho esse papo de caminho do meio um saco. Talvez seja puro recalque mesmo, porque em poucas situações na minha vida fui bem sucedida em achar o tal caminho do meio, não, eu transito pelas bordas, nos limites, ora cá, ora acolá.

Acontece que agora virei uma espécie de boa samaritana careta e como todo bom samaritano careta, fiquei chata. Tipo, muito chata. Chata e deslocada, mas até aí tudo bem, deslocada eu sempre me senti, a vida toda. Sempre me senti nadando contra a maré.

No terceirão, enquanto todos escolhiam suas carreiras entre cursos como Direito, Medicina, Jornalismo, eu quis fazer Filosofia. Quando o Ecoturismo não era moda, fui morar em Bonito. Quando o vegetarianismo não era tão divulgado virei vegetariana. Quando morava em Londres e o verão se aproximava, os destinos mais cotados eram a costa da Espanha, Grécia, Itália e, para o desespero da minha família, resolvi curtir o verão fazendo trabalho voluntário em um Kibbutz em Israel. Nem a visita da minha irmã grávida em Londres – em missão para me convencer de não ir – resolveu.

Minha irmã gosta de dizer que sou do contra, que às vezes gosto ou não gosto de algo só para contrariar todo mundo. Talvez ela esteja certa, é difícil saber todos os motivos psicológicos que nos fazem gostar ou não de algo, fato é que não escolho nada por modismos e fato é também que não gosto de me sentir igual à massa. Talvez foi por isso que não tenha comprado “O Jardim Secreto”, ou deve ser por isso que eu gostava muito mais do Atlético quando ele jogava na “Baixadinha” e não havia sido Campeão Brasileiro.

Mas, andar pelas beiradas cansa tanto quanto o papo de caminho do meio. Sim, porque esse papo de ser impulsiva e inconsequente, colocar a cabeça para fora da janela na highway com o vento na cara, correr de meia na neve, viver (e contar) histórias surreais, isso tudo cola muito melhor nos filmes e nos livros do que na vida real, na vida real cansa ser intenso, para quem é e para quem convive com pessoas que o são.

E se cansa ser intenso é pior ainda ser careta, tipo eu agora. Sério, nem eu me aguento mais de tanta caretice. Chata. Tipo tomando chá de camomila e comendo granola. E nessa de ser careta tudo (ou quase tudo) perdeu a graça. O mundo anda esquisito, isso sabemos, só que eu não vejo mais sentido em quase nada do que acontece. Pois é, como eu disse: chata.

E eu na versão careta não bebo e acho a noite um saco. Acho as pessoas que estão na noite pior ainda. Assim como as pessoas da natureza e das Ecovilas, as que meditam, fazem Yoga e dizem “gratidão”, putz essas são malas-plus.

Têm ainda as que falam de crossfit, corrida ou aquelas que acham que a culpa de TODOS os males do Brasil (e suspeito que até do mundo) é da presidenta e do PT, essas vão além da minha cota de tolerância. Enfim, ao final de tudo isso pude concluir que elas não são um saco, porque ao menos, mesmo que sejam, elas estão seguindo seus caminhos e se divertindo. No fundo mesmo quem virou um saco sou eu que não se diverte mais porque acha tudo um saco.

E por não conseguir viver, nem entender o caminho do meio, apesar de achá-o necessário (porém utópico), ou talvez por andar sempre contra a maré, larguei os estudos budistas e comecei a estudar o Tao. Até porque acho não tem muito equilíbrio no caminho do meio do budismo (repare nos monges).

O Taoísmo é bacana porque aborda a nossa natureza de viver e de precisar das polaridades. Segundo o Tao, a vida é regida por dois elementos (dualismo): yin (feminino) e yang (masculino). Estas duas forças se complementam e não podem existir uma sem a outra.

A minha leitura do Tao faz validar que é preciso ter experiências de vida nos limites, ou seja, é preciso ser inconsequente e depois ser careta (ou o contrário) até equilibrar as duas forças em si; mais ainda: é preciso viver as fases da vida que se apresentam, como se apresentam: mesmo que eu me sinta assim tão chata, é hora de ser chata. Sem caminho do meio. Talvez isso seja apenas eu tentando justificar minha chatice. Talvez esse caminho do meio seja algo intangível mesmo, talvez nós estejamos condenados à viver nas polaridades, às vezes àgua, outras fogo. Ou não. Qualquer que seja a resposta, hoje acredito que viver por inteiro nos dois pólos vem antes de encontrar o meio.

E enquanto não descubro respostas para minhas perguntas, continuo aqui com minha caretice, essa chatice incurável que só tem quem enxerga o mundo de maneira tão literal e vê no mundo tanta coisa sem nexo. Mas juro que tenho me esforçado para ser uma boa samaritana daquelas bem “cool”  (se é que elas existem) e deixar as pessoas serem o que são, retirando-lhes os rótulos (sim, os mesmos que usei há pouco).

Porque sei que pode parecer limitado e chato ser careta, mas tenho certeza que mais limitado ainda é viver rotulando tudo. Se o mundo é feito de dualidades, eu ainda vejo milhares delas. E mesmo que não ache todas legais é importante, ao menos, aprender a respeitá-las. Portanto, gratidão.

COMPARTILHE
Tatiana Nicz
Libriana com ascendente em Touro. Católica com ascendente em Buda. Amo a natureza e as viagens. Eterna curiosa. Educadora e contadora de histórias. Divagadora de todas as horas. Escrevo nas horas vagas para aliviar cargas, compartilhar experiências e dormir bem. "Quem elegeu a busca não pode recusar a travessia." Guimarães Rosa



COMENTÁRIOS