Sobre a apatia e o efeito espectador…

Por Marcella Starling

Em março de 1964, a primeira página do new york times estampava : “durante mais de meia hora, 38 cidadãos respeitáveis, cumpridores da lei, no queens, viram um assassino perseguir e esfaquear uma mulher, em três investidas separadas e sucessivas, no Kew Gardens, ninguém chamou a polícia durante o assalto; uma testemunha telefonou depois que a mulher estava morta.“. O episódio do assassinato de Kitty Genovese, ficou mundialmente famoso e acabou gerando mais estudos sobre a apatia humana do que o próprio holocausto.

Estudiosos de todas as áreas das ciências sociais se debruçaram sobre o caso em questão, e assim nasceu o que foi chamado de ‘Efeito Espectador’, segundo o qual a presença de vários voyeur’s durante espetáculos questionáveis pode efetivamente inibir intervenções. É o famoso ‘deixa que o outro faz’. Acho que o brasileiro hoje em dia sofre disso.

Perdemos a capacidade de nos admirarmos frente à corrupção. Perdermos a capacidade de nos admirarmos frente à impunidade. O ‘jeitinho brasileiro’ tornou-se regra ao invés de exceção. E todas as pequenas e profícuas condutas dominadas pela antiética diária começaram a se tornar normais. E aí meu caro cidadão, o resultado da equação não poderia ser outro, senão o nosso cenário político atual.

Uma das grades maravilhas de ser criança, e um dos motivos pelos quais as suas mentes são tão perceptivas é a capacidade de se admirar. Isso ocorre porque elas vivem em um mundo no qual tudo é novidade, possuem a mente livre de pré-conceitos e ideologias e reconhecem que estão ali para absorver e criticar o que o mundo está lhe oferecendo.

É devido a esta capacidade de se admirar que elas conseguem aprender o certo e o errado. Mas além disso, conseguem distingui-los com precisão e sagacidade,  muitas vezes colocando os seus pais frente a posições embaraçosas por não entenderem que podem existir mentiras boas, por exemplo.

Porque comecei o texto falando de um assassinato e agora estou falando sobre a benção de ser criança? Porque acredito que os dois exemplos traçam os limites antagônicos entre a apatia e o afã. Porque hoje milhares de brasileiros viraram crianças novamente. Pararam de olhar pela janela imobilizados enquanto o governo se apoderava despropositadamente e desmedidamente dos recursos públicos. Pararam de esperar dos outros telespectadores ação e decidiram agir por conta própria.

Que a apatia não faça mais parte das nossas vidas. Não só para ir a rua e protestar. também para não perdermos a capacidade de nos impressionarmos com aquilo que nos causa aversão. mas acima de tudo para termos a esperança renovada e a coragem de agir pelo que acreditamos.

Eu acredito em um Brasil melhor.

Nota da página: O texto acima foi escrito no último 15 de março, quando o povo se uniu apartidáriamente e por autoconvocação para demonstrar a insatisfação com a atual conjuntura econômica e política.

Texto reproduzido com a autorização da autora.

10363364_674853899246818_2945946406166328284_nMarcella Starling

É mineira e paulista de coração. É advogada e estudante de economia. Está tentando ser aquela pedra jogada ao rio, que gera pequenas ondas ao redor.

Leia mais textos da autora em seu blog The Shrinking Pants 

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS