Sincronicidades e os pequenos milagres do dia a dia

Meu filho é grande fã da cultura pop japonesa contemporânea, mangás e animês. Gêneros com os quais tenho quase nenhuma familiaridade.

De uns anos pra cá, meus interesses têm se voltado ao Oriente. Meditação, tao, autores como J. Krishnamurti e – especialmente – o inclassificável Osho (*).

Estive com meu filho em Sampa, a semana toda – o que acontece eventualmente, moramos em cidades diferentes. Num dos dias, vou à Livraria Cultura. Livrinho comprado, sigo na direção da saída. Súbito, paro e verifico as mensagens no celular; tinha um compromisso marcado, dali a instantes.

Quando ergo a cabeça, percebo que estou na seção de quadrinhos japoneses. Praticamente pula diante de mim um livro, título em letras garrafais: A história de Buda em mangá.

Buda_Capa.indd
“A história de Buda em mangá” apresenta-nos a vida do príncipe Sidarta Gautama, herdeiro do reino de Kapilavastu há 2600 anos e da sua incansável busca de respostas para o significado da vida, do cessar do sofrimento humano e de alcançar a suprema felicidades dos seres.

“Puxa, mas que coincidência, não?”, dirá alguém. Claro que não é só isso.

Para alguns, a “sincronicidade” – conceito desenvolvido por Jung, que também a chama de “coincidência significativa” – é uma bobagem. Se não podem explicar o evento por meio da relação causa-efeito, ele não tem valor, isso é “papo de esotérico”. No extremo oposto, há os que a consideram trivial, quase banal, tamanha é a frequência que ela ocorre em seu cotidiano.

Ora, eu estava num ambiente com dezenas de milhares de livros ao redor. E meus olhos foram direcionados para este título em particular.

Pra mim, esta é a prova cabal da presença do sagrado nos pequenos detalhes. Da estreita interligação entre tudo e todos. Os pequenos milagres ocorrem quando se afina a sintonia com o universo; quando se está antenado aos sinais por ele enviados de modo discreto, sutil. De diversas formas: na letra da canção que toca no rádio, no artigo da revista que você folheia na sala de espera do consultório, na pessoa que aparece na sua vida de modo meteórico e some logo em seguida etc.

A beleza é que quanto mais prestamos atenção nestas sincronicidades, mais elas aparecem.

Estas cenas do dia a dia me deixam entusiasmado como criança diante da descoberta do novo. Aliás, “entusiasmado” não está na frase à toa: en + theos = na raiz etimológica da palavra, está Deus.

(*) Insight que só tive agora: geograficamente, estamos próximos, ele e eu. Japão, China, Índia.

LUIS GONZAGA FRAGOSO

Tradutor e Revisor

luisgfragoso@terra.com.br

Nota da CONTI outra: A publicação do texto acima foi autorizada pelo autor.

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS