Sentimentos têm métricas completamente subjetivas

Por Edney Souza

Você pode estar amando ou não, sozinho ou acompanhado, triste ou feliz. É comum que muita gente use uma métrica binária para medir sentimentos.

Porém como definimos que estamos amando mais isso do que aquilo? Como afirmar que estamos nos sentindo sozinhos quando estamos rodeados de pessoas? Como dizemos que alguém nos faz mais feliz do que outras pessoas?

Às vezes aquilo que é mais recente, ainda mais forte em nossas memórias, é o que ganha a etiqueta de maior intensidade. Outras vezes a lembrança mais intensa é do passado e a dor do recesso define a ordem de importância em nossas mentes.

Às vezes medimos presença pelo tempo dedicado, ou pela qualidade do tempo gasto, ou ainda pela importância de um carinho nas horas certas.

Mas medir tempo sem cronômetro, intensidade sem termômetro e distância sem GPS é bastante complicado, além de impreciso.

Com toda essa imprecisão é comum sermos injustos quando medimos as coisas do coração, é comum termos memória curta e seletiva, é comum magoarmos quem nos quer bem.

Sentimentos não foram criados para serem medidos, no mundo das emoções e sensações é melhor deixar as métricas de lado para se emocionar e sentir à vontade.

Ainda não encontrei contra-indicações para lágrimas e sorrisos, use sem moderação.

8c1a04b8ec1ab87a2677f8208640ece5

 

Fonte indicada: Interney.net

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS