Sensibilidade, meditação e necessidade de catarse

“Certamente a sensibilidade aumenta com meditação. E todo o significado de sensibilidade é que toda experiência será sentida com maior intensidade, e isso inclui os seus problemas. Um meditador sentirá um insulto muito mais do que um não-meditador. Porque a consciência daquele que não medita não é clara. Quanto mais fumaça em sua consciência, menor a possibilidade de você sentir angústia.

E talvez seja essa a razão do porque escolhemos viver uma vida com baixa consciência – apenas para reduzir a intensidade da angústia. Pergunte a um psicólogo e ele lhe dirá que toda criança, numa certa fase de sua infância, aprende a baixar seu nível de consciência. Toda criança nasce sensitiva, e gradualmente começa a matar sua sensibilidade, porque viver com ela é difícil.

Quando uma criança fica com raiva, todos em volta lhe chamam de louca, e dão um jeito de controlar as ações da criança, fazendo com que ela se controle. Seu ser todo está em fogo, e lhe pedem que se controle. Assim, nós ensinamos a criança a matar sua sensibilidade.

Quando você começa a meditar, suas qualidades de criança começam a emergir, sua sensibilidade cresce, e suas experiências se aprofundam. Tudo que acontece a você alcança suas profundezas, e isso cria problemas para você, para sua família, para seu relacionamento, para seus amigos. E essas dificuldades estão além da compreensão deles.

Todos eles carregam uma expectativa em relação à meditação – de que ela o tornará pacífico. E exatamente o oposto acontece! “Antes de começar a meditar ele não era raivoso, e agora está muito cheio de raiva, a todo o momento!”

Eles acham que a pessoa meditativa deveria ser um morto vivo, que você pode dar um tapa e ela ficará olhando em posição de za-zen sem mover um músculo. E isso é verdade, mas no fim. Não no caminho. A paz é o final da meditação.

No começo da meditação todas as suas feridas são mexidas, e todas as raivas e ambições e jogos de poder vem à tona. Se não vem, não é meditação o que você está fazendo. Todas as suas coisas se tornarão mais profundas, e tudo que você tem suprimido desde sua infância começa a emergir com força total. Você não se sentirá em paz.

Se você estiver doente, sentir-se-á mais doente ainda.
E quando você experienciar o prazer será um prazer muito maior, muito mais profundo que o prazer comum das pessoas. Coisas muito pequenas o farão sentir-se abençoado, tanto que você sentirá vontade de dançar. E igualmente pequeninas coisas o deixarão em tal estado de escuridão, que você sentirá vontade de cometer suicídio. Quando você começa a meditar tudo isso acontece…

A menos que você viva o mundo em sua totalidade, você não será capaz de conhecer o divino em sua totalidade. E, porque o mundo cobriu você, desde a infância, com condicionamentos, são essas marcas do mundo que aparecerão primeiro – é o que você sentirá primeiro. Então, lembre-se: a sensibilidade não deve ser reprimida, mas aprofundada e intensificada. Ela pode deixar sua vida em dificuldades, mas você pode usar isso de maneira criativa.

Toda vez que você sentir que uma situação está muito intensa, vá para seu quarto e chute e bata em seu travesseiro. Permaneça ali, sozinho com você mesmo, e deixe essa energia sair, seja raiva ou choro. O ponto que eu estou enfatizando é que você tem de exprimir. Você tem de expressar esse lixo interno. Permita isso. Jogue-o para fora vigorosamente.

Todo meditador tem de passar pela catarse. Apenas ficar pacífico não é suficiente. Nós guardamos dentro de nós raivas de muitas vidas, não só desta vida. Um momento chegará em sua vida que você se sentirá mais aliviado, e aquela raiva do passado não surgirá mais. Mas até esse momento, a catarse é um dever.
Com a meditação muitas experiências se aprofundarão em sua vida. Alegria e tristeza terão mais impacto sobre você.

Se você continuar reprimindo sua raiva, chegará a um ponto em que sua meditação morrerá. Se você jogar seus sentimentos ruins sobre as outras pessoas, as dificuldades se multiplicarão.

Assim, refugie-se em sua solitude e deixe seus sentimentos saírem. Por isso criei métodos de meditação catárticos. Nunca o homem precisou tanto disso. A catarse é indispensável para meditação, e sua meditação se tornará mais pura quanto mais total for sua catarse.

E pura meditação é iluminação.

Catarse tem de ir de mãos dadas com meditação: somente quando a meditação se torna iluminação a catarse chega ao fim.

‘Para um buscador, ela não pode ser evitada.’

OSHO
www.oshobrasil.com

MEDITAÇÃO

Você achou esse conteúdo relevante? Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS