Se você está pensando como os outros, não está pensando

“Dizem que, numa cidade do interior, um grupo de pessoas se divertia com o “faz-me rir” do povoado, um pobre infeliz, de pouca inteligência, que vivia fazendo pequenas diligências e pedindo gorjetas.

Diariamente, alguns homens chamavam o homem no bar onde se reuniam e lhe ofereciam escolher entre duas moedas: uma de tamanho grande de 400 coroas e outra menor de tamanho, mas de 2.000 coroas.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risada para todos.

Um dia alguém que observava o grupo se divertindo com o homem inocente o chamou de canto e lhe perguntou se ainda não tinha percebido que a moeda de maior tamanho valia menos e ele respondeu: eu sei, eu não sou tão bobo. Ela vale cinco vezes menos, mas o dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e eu não vou ganhar mais nenhuma moeda.”

Esta história poderia terminar aqui, como uma simples piada, mas é possível tirar várias conclusões:

A primeira: Quem parece bobo, nem sempre é.
A segunda: Quem eram os verdadeiros bobos da história?
A terceira: Uma ambição desmedida pode acabar cortando a sua fonte de renda.

1 – Você pode estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião sobre você.

Você não precisa que os outros tenham uma opinião sobre cada passo que você dá na sua vida. Nem precisa, nem deveria procurá-la; o importante é que você esteja bem com quem você é.

Nos enganamos tentando colocar rótulos nas pessoas e nos seus comportamentos. Você é muito mais do que a opinião dos outros. Entre outras coisas, você deveria lutar contra si mesmo durante um tempo até alcançar a capacidade de se sentir bem, sem saber o que os outros pensam a seu respeito.

As pessoas mais infelizes neste mundo são as que se preocupam demais com o que os outros pensam.

2 – Portanto, não importa o que os outros pensam de você e sim o que você pensa de você.

As pessoas vão pensar o que quiserem pensar. Não vai fazer diferença você sempre procurar as palavras exatas ou cuidar dos seus gestos nos mínimos detalhes; alguém sempre irá distorcê-los. No fim das contas, no resumo da sua vida, pouco importará o que as outras pessoas falaram ou deixaram de falar.

Faça o que você gosta, não o que você acha que os outros gostariam que você fizesse.

Como você se vê a si mesmo é o que verdadeiramente importa. Mantenha-se fiel a si mesmo, guie-se de acordo com as suas opiniões e não pelo que os outros esperam ou opinam. No fim das contas, você é a única pessoa indispensável na sua vida, e é a você mesmo que você terá que “aguentar” minuto após minuto.

Se você está pensando como os outros, não está pensando E se você não está pensando, não está realmente vivendo.

3 – A vantagem de ser inteligente é que você pode fingir ser bobo, enquanto o oposto é impossível. Woody Allen

Dizem que ser inteligente não é saber onde ir, mas sim onde não se quer voltar e o que não se deve permitir.

Uma pessoa inteligente sabe que todos têm direito de pensar o que quiserem, mas outra coisa muito diferente é tomá-lo ou não como algo pessoal. Além disso, ser único e analisar as atitudes que os outros manifestam frente a você lhe dá a vantagem de criar situações que não lhe prejudiquem.

Texto original em espanhol de: Raquel Aldana

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS