Se a sua alma não está à venda, não há dinheiro que pague a sua paz de espírito!

Todo mundo gosta de dinheiro. Eu, você, o moço que largou tudo e foi vender água de coco na praia, a moça que virou a mesa e saiu pelo mundo com uma mochila nas costas, o dono da barraca de pastel na feira, o médico que ficou de plantão no feriado, o mestre que ainda insiste que a educação é a única saída digna para a perdida raça humana. A questão é apenas identificar quem é o dono de quem. Parece simples. Mas não é, não! Não é mesmo!

Por enquanto, e isso é uma coisa absolutamente transitória, somos seres de carne, osso e mais uma porção de órgãos e sistemas que precisam funcionar adequadamente para que continuemos vivos. E ocorre que manter um ser humano vivo demanda a manutenção de uma quantidade razoável de itens materiais. Comida, abrigo, descanso, ocupação do corpo e da mente, diversão, segurança, informação, locomoção, convivência.

Todavia, nossas necessidades básicas variam incrivelmente de um indivíduo para outro. Há quem precise de muito pouco para considerar-se alegre e satisfeito em suas aspirações mundanas. Assim como há aqueles que quanto mais coisas adquirem, mais coisas arranjam para desejar, e cobiçar e depender. Tudo é apenas uma questão de perspectiva.

A triste verdade é que quanto mais “bens” você acumular, mais encrenca para sua cabeça você arranjará. A simples decisão de ter um automóvel, por exemplo – ainda que seja um prosaico modelo popular – incluirá a sua desavisada pessoa numa rede de elementos comedores de dinheiro. Ter um veículo motorizado para rodar por aí, acarreta um ônus bastante complexo: seguro, manutenção, impostos obrigatórios, gasto com combustível, estacionamento, e mais uma porção de pequenos e médios investimentos financeiros que impactarão diretamente a maneira como você passará a gastar o seu tempo.

Quanto mais coisas você tiver, mais horas terá de trabalhar para mantê-las. E quanto mais você aumentar suas horas de trabalho, mais vai acreditar que merece comprar mais coisas para compensar o tanto que trabalha. E, não, a equação não fecha nunca. É tipo aquelas dízimas periódicas de números infinitamente repetidos.
E quando menos você esperar, estará soterrado em seus delírios de consumo, e escravizado a um modelo de vida que reduz a sua existência a uma representação tosca de alguma coisa muito pouco parecida com o que se poderia chamar de vida plena.

Se a sua alma não está à venda, não há dinheiro que pague a sua paz de espírito. Porque prosperidade financeira é até bacana… até a página dois… até você descobrir que deixou de ser aquele que possui, para ser um fantoche tolo e caricato que vive em função de um punhado de papel. Que vem andando de joelhos para acumular objetos de desejo além da conta. Que vem vendendo o seu tempo em troca de coisas que, assim como você, não vão durar para sempre.

Imagem de capa meramente ilustrativa. cena do filme “Miss Sloane”

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Ana Macarini

“Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!”


COMENTÁRIOS