Se pudesse, que conselhos você daria para si mesmo?

Se pudesse, que conselhos você daria para si mesmo?

Sabe aquela situação difícil pela qual  você está passando? Aquela preocupação que não sai da sua cabeça? Aquele problema que parece sem saída? Aquele sofrimento que se apegou em você?

A vida pode ter variados significados e essa interpretação é algo muito pessoal. Entre tantos, um possível é que a vida consiste em uma série de acontecimentos que nos insere e nos tira da zona de conforto. Como ondas no mar, diante de um fundo de tranquilidade e paz, várias oscilações acontecem, fazendo-nos seguir novos rumos e passar por novas experiências.

Muitas vezes, estamos nessa movimentação de ondas gigantes e/ou intensas e não sabemos como superá-las. Parece que a forma como nadávamos antes não nos ajuda a passar por essas novas adversidades e tomamos - sem saber bem o motivo - aquele belo caixote.

A resposta para sair ou passar melhor por essas situações é entendermos que estamos, na verdade, mal posicionados. Estamos parados no local onde a onda está arrebentando e, por isso, levamos aquele caldo.

Mas e se fôssemos um pouco mais a fundo, onde a onda se inicia, e ficássemos observando as suas oscilações, sem que isso nos alterasse tanto? Essa seria uma boa opção, não?

Mas como sair do lugar em que estamos hoje?

Muitas vezes, estamos tão condicionados com as nossas crenças de que a arrebentação é o nosso lugar, que não conseguimos enxergar que tudo não passa de mais uma onda que vem e vai. Temos, nesse caso, que ampliar o nosso olhar, observar o início de tudo e ver como isso se forma.

Uma das melhores formas que temos para isso é ouvirmos os conselhos: alguém que está vendo tudo da areia nos orienta sobre onde é o nosso lugar e como sair da situação.

E se, dessa vez, em vez de procurarmos um conselheiro externo, passássemos a procurar nosso próprio conselheiro? Aquela voz ou aquele pensamento que está dentro de nós, ansioso para ser ouvido; o nosso Guru interno?

Mas como encontrar o nosso guru interno?

No silêncio, na natureza, em um lugar que nos inspire, no estado meditativo, local religioso, naquela música que nos acalma, no sonho, correndo…

Pergunte-se: qual conselho eu me daria?

Relaxe e respire lentamente. Pense em 3 ou 5 conselhos e escreva-os em uma folha. Não julgue e nem critique, apenas escreva.

Guarde-os e, nos dias seguintes, leia-os e os mantenha com você. Siga o conselho do seu guru/mestre interior. Ele é o caminho que vai tirá-lo desta situação.

Om

COMPARTILHE
Virgilio Magalde
Engenheiro de Formação, que largou o mundo corporativo para seguir o sonho de ser professor na área. Filósofo, escritor e poeta de coração. Atualmente desenvolvendo o hábito de ser blogueiro. Possui formação em coaching e se interessa sobre assuntos de desenvolvimento pessoal, relacionamentos, meditação, espiritualidade e demais explicações sobre o que vemos e sentimos.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS