Racismo no facebook: um pequeno experimento

Por Gustl Rosenkranz

Como tenho a mania de querer entender as coisas direito, resolvi fazer um experimento no Facebook: criei dois perfis fictícios, com dados semelhantes, com diferença somente na foto: um com a foto de uma pessoa branca e outro com a foto de uma pessoa negra. Em seguida, escolhi aleatoriamente vários usuários brasileiros e enviei solicitações de amizade com os dois perfis, sempre para as mesmas pessoas, ou seja, cada usuário escolhido por mim recebeu sempre dois convites: um da pessoa branca, outro da pessoa negra. Tentei misturar o máximo possível os perfis escolhidos para enviar convites, homens, mulheres, gente de todas as raças e idades. E confesso que o resultado não me surpreendeu.

O resultado

Não demorou muito para a coisa ficar evidente. Pouco tempo depois de eu enviar o último convite, a pessoa branca tinha mais de quinhentos “amigos”. Já a negra tinha somente trinta e teve o perfil bloqueado pelo Facebook por ter mandado convite a pessoas que não conhecia. A pessoa branca foi muito bem-vinda, recebendo até mensagens simpáticas, enquanto que o perfil com a foto de uma pessoa negra foi denunciado. É claro que este experimento não foi nenhum estudo empírico sobre o racismo em redes sociais, mas bastou para que eu tirasse minhas conclusões. Agora tire as suas.

Racismo

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS





Gustl Rosenkranz
Escrevo sem luvas porque tocar é importante. Minha formação, eu diria, foram duas mulheres. A primeira foi minha mãe, que acreditou muito em mim e me ensinou a me virar neste mundo, dando-me exemplo, lutando, correndo atrás, mas sem nunca querer nada que não fosse fruto do próprio trabalho, não tendo muito, mas sempre partilhando o que tinha, sem nunca reclamar e sempre repetindo que eu usasse minha cabeça para aquilo que ela melhor sabe fazer: pensar. A outra foi minha avó, com quem tive muitas conversas longas e que me ensinou muito sobre a vida e sobre o que ela via por trás das coisas, e que também dizia que eu realmente deveria usar a cabeça para pensar, mas sem nunca deixar de usar o coração para sentir. Essas duas mulheres sensacionais foram minha formação básica. O que veio depois, foi só complemento.

COMENTÁRIOS