Querer tudo só vai nos levar a nada. A gente precisa é se querer bem.

Eu acredito em milagres. Não precisa ser coisa grande, monumental e imponente como a abertura do mar vermelho. Nem carece ser fantástico como a transformação da água em vinho, a mudança brusca do dia para noite, a proliferação dos peixes e essas coisas. Nada disso.

Basta ser simples e grandioso como a inesperada delicadeza de alguém que cede o seu assento no ônibus, que dá passagem no trânsito, que diz “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite” e que responde quando alguém lhe dirige um cumprimento assim.

Milagre suficiente hoje em dia é alguém se lembrar de que agradecer é um gesto tão bonito e tão esquecido. Que dividir é muito melhor do que possuir. Que aceitar a opinião do outro não significa concordar com ela e que discordar de alguém nem sempre é motivo para odiá-lo.

Imagina que milagre seria nos darmos conta de que, neste mundo em que todos querem tudo, está faltando é nos querermos bem?

Desse milagre em diante, todo ataque e toda ofensa previsíveis seriam trocados por bondades urgentes e gentilezas gratuitas.

Todo ímpeto de falar mal do vizinho seria substituído por uma vontade franca de melhorar a nós mesmos.

Cada gesto mesquinho seria abatido por uma crise de consciência e seguido por uma atitude nobre.

Aqueles de nós com talento para ganhar rios de dinheiro doariam tudo quanto fosse necessário para que ninguém mais passasse necessidade.

E toda manhã, em todo canto, pularíamos da cama de alma renovada, contente e ativa, prontos para enfrentar o que vier com trabalho, empenho, honestidade e amor. Querendo bem a nós mesmos e ao outro sempre.

Sem nem percebermos, tudo na vida seria motivo para a prática dessa nossa imensa e inexplorada capacidade de operar milagres.

Não, nós não somos santos. Erramos todos, tantas vezes. Em todo canto, derrapamos francamente porque somos gente e gente erra. Mas tem aqueles de nós que depois do engano respiram fundo, repensam, voltam e procuram um jeito de consertar o que fizeram. Eu tenho a impressão de que isso só acontece quando a gente quer bem um ao outro. E este seria hoje o mais poderoso milagre capaz de transformar este mundo.

Eu acredito, sim. Acredito nos pequenos milagres porque deles há de vir algo maior, incrível e redentor como a multiplicação do pão, a redenção dos nossos pecados e a chance de fazermos deste mundo, cada um de seu jeito, um lugar melhor, mais justo, mais decente e mais amoroso para todos. Sim, eu acredito nesse milagre.

COMPARTILHE
André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.



COMENTÁRIOS