Querer o bem do outro é o jeito mais bonito de viver bem consigo mesmo.

Imagem de capa: Irina Soboleva S/shutterstock

A coisa mais bonita que mora na gente é um desejo vago e sincero de que o outro fique bem. Do nada, olhamos um desconhecido na rua, caminhando com pressa, de manhã cedinho para o trabalho, a expressão preocupada, e a ele dirigimos um voto silencioso, assim em pensamento, de que o dia seja bom, que seu chefe não o aborreça, seus clientes não o chateiem, que a saúde seja franca e o dinheiro seja largo.

Sem mais, queremos bem a quem nem imagina a nossa existência. Daqui de dentro, lançamos a esse estranho um conselho honesto e antigo em segunda pessoa. “Faz tudo certo, meu caro. Vai em frente. Força! És boa gente! Cuida bem dos teus, dá teu melhor que tudo se ajeita!”

Ele nunca vai saber que foi objeto primeiro de uma oração humilde e sincera. Nem imagina que seu caminhar apressado despertou em alguém o que o ser humano tem de mais bonito. Essa capacidade perdida de querer bem a toda gente.

De repente, uma ternura tão grande de um tempo passado nos toma pelo braço e acende uma saudade bonita aqui dentro. Lá fora é tardinha, daqui a pouco será noite e a lua é tão bonita que a gente chora sem mais o quê. Chora com a beleza que não é forma, é sentimento. Ai, como é bonito sentir afeto.

Dentro da gente mora tanta coisa! Tanto sonho, tanta lembrança, tanta saudade. Sentimentos de todo jeito, angústias, medos, alegrias, vontades de toda cor, palpites de toda sorte. Está tudo aqui, morando junto só Deus sabe como, habitando em comunidade um espaço insuspeitado, tudo amontoado como um universo compacto, bruto, esperando a hora do Big Bang.

Quando explode, é ternura pra todo lado, reconstruindo de gentilezas galáxias inteiras. A gente quer mais é que todo mundo se encontre, se respeite e se estime. Deseja com honestidade a alegria de toda gente.

Converso com minha amiga Verônica, que deixou tudo na cidade grande, carreira, amor, família, e mudou sozinha para um vilarejo no litoral da Bahia, trabalhar num hotelzinho, viver com pouco, fazer tudo a pé. Ela me conta que lá o povo se orienta pela lua e a maré, que conversa com os índios e dança forró com os nativos, descalça. Sinto aqui uma ternura tão grande por ela, um desejo tão fundo de que ela seja feliz, que vou sendo feliz também.

Não tem nada mais bonito que essa capacidade da gente se querer bem. Um dia a gente aprende a cuidá-la com apreço. Como crianças descobrindo na escola os fenômenos da ciência, compreendendo que o gelo é a água em estado sólido e a fumaça da chaleira é a mesma água em vaporização, ganhando o céu feito um foguete americano, reaprenderemos perplexos que sentir amor é viver em forma de graça. E que a vida é muito, mas muito melhor em estado amoroso.

COMPARTILHE
André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS