Quando tudo for escuridão, acenda-se!

O que não falta nesse mundo é gente louca para roubar a nossa luz, a nossa vontade e até mesmo a nossa ousadia. Parece absurdo, mas pode acreditar, tem gente que sente inveja até das dificuldades que enfrentamos! A explicação para esse fenômeno é simples: a dita cuja pessoa inveja nossa coragem de enfrentamento, mas não tem a menor ideia do quanto aquela coragem nos custou, em persistência, determinação, renúncias e resiliência!

O invejoso olha para a nossa vida a partir de uma lente reducionista, por meio da qual só vê a parte que lhe interessa. O invejoso olha para as nossas lutas e as avalia como infinitamente mais fáceis do que as que ele precisa enfrentar. O invejoso olha para nossas conquistas e tem absoluta certeza de que não as merecemos e de que elas ficariam perfeitas em suas vidas. O invejoso agride porque não tem competência para admirar nossa serenidade. O invejoso inventa histórias com o objetivo de nos diminuir perante o outro, simplesmente porque se sente tão pequeno e pouco, que precisa inverter a lógica do merecimento.

Lidar com gente é uma tarefa árdua, complexa e desafiadora. Exige de nós doses consideráveis de flexibilidade, tolerância e paciência. Mas, também, exige de nós firmeza e capacidade de estabelecer limites. Excesso de tolerância pode passar ao outro a falsa impressão de que somos pouco importantes, de que precisamos estar sempre disponíveis ou de que não há necessidade de reciprocidade no relacionamento.

Não raras vezes abrimos nossas vidas à visitação sem ter o cuidado de pedir ao outro que tenha a gentileza de limpar os pés antes de entrar. Não poucas vezes, fazemos das tripas coração, só para não deixar de atender a um pedido, uma súplica ou uma solicitação, sem nos importarmos com o fato de que estaremos tirando de nós mesmos tempo, presença e atenção.

E é claro que esse mundo anda muito esquisito porque parece estar na moda ser egoísta, individualista e seletivo quanto a quem merece ou não merece a nossa compaixão. E, não, não há aqui uma contradição em relação a toda a linha de raciocínio desenvolvida até aqui nesse texto. Aqui, faço um convite à reflexão. Aqui, proponho um exercício de equilíbrio nas relações. Aqui, pergunto a você, porque estou longe de ter todas as respostas…

O que devemos fazer quando percebemos que estamos há tempos permitindo que o outro roube a nossa luz? O que devemos dizer ao outro para que ele perceba que estamos esgotados e que, de vez em quando, é preciso trocar de lugar? Quais são as palavras certas a dizer para que o outro entenda que não gostar do que ele fez, deixou de fazer, falou ou deixou de falar não quer dizer que nós deixamos de querê-lo bem?

Ahhhh… como é difícil conviver, não é? No entanto, não há nada mais bonito do que o aprendizado da convivência. Não há nada mais importante do que a nossa disponibilidade para aprender a dar e receber ajuda, colo, amizade e amor. E se estivermos apagados e frios, não seremos capazes de enxergar as possibilidades, porque os olhos congelados de afeto não são capazes de contemplar o outro, com suas luzes e sombras. Sendo assim, quando tudo for escuridão… acenda-se! Revelar-se forte na compreensão da fragilidade da vida é um argumento contra o qual não é possível discordar!

COMPARTILHE
Ana Macarini
"Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!"



COMENTÁRIOS