Quando o amor machuca…

Existem relacionamentos que podem ser chamados de tudo, menos de amorosos, visto estarem impregnados de violência – física e verbal -, de rancor, competição e castração. Se um dos parceiros anula-se, avilta-se, machuca-se, sofre, é hora de se separarem, urgentemente. E, embora a necessidade de sobrevivência clame pelo afastamento, muitas vezes a dependência doentia do outro nos impede de nos libertarmos daquilo que nos faz mal.

É inevitável: o ser humano foge à solidão a vida toda e visa à constituição de uma família, partindo à procura do amor de sua vida, de sua cara-metade, pois a maioria de nós não suporta encontrar-se acompanhada somente de si própria. A sociedade, por sua vez, cobra-nos um parceiro, um casamento, um filho, e por aí vai. Acuados, partimos em busca do amor, muitas vezes sem estarmos preparados emocionalmente.

Infelizmente, essa busca por um relacionamento pode se antecipar ao nosso amadurecimento pessoal, atropelando o fortalecimento de nossa personalidade e da resolução de nossas pendências sentimentais; ou seja, ainda vulneráveis e inseguros quanto a nossos próprios objetivos e desejos, entregamo-nos ao compartilhamento de vida com o outro. Como compartilhar incertezas e convicções frágeis? Ao darmos as mãos trêmulas, abrimos a guarda para que as certezas alheias – ainda que nocivas – instalem-se, passando por cima do que é nosso de maneira rápida e muitas vezes cruel.

Nessas situações, acabamos por deixar de lado o que temos aqui dentro, para abraçarmos o que o outro traz, uma vez que ele o traz com tanta certeza e propriedade, que aquilo nos convence facilmente. Tomamos como nossas as verdades do parceiro, anulando-nos em tudo o que nos define, tornando-nos dependentes e, cada vez mais inseguros – e quanto mais nos esvaziamos daquilo que é nosso, mais o outro se fortalece -, colocamos nossas vidas nas mãos de nosso amante, numa crescente anulação daquilo que costumávamos ser – de uma forma tímida e titubeante, que fosse, mas éramos! Com isso, o outro toma as rédeas de nossas vidas e sentimentos, controlando-nos, cerceando-nos, sufocando-nos.

Uma vez projetada nossa vida no nosso parceiro, fora de nós, passamos a não mais existir, passamos a depender de algo sobre o qual não temos controle. Deixamos de lado o que somos, o que queremos, o que sonhamos, para ceder tão somente, mas isso machuca, violenta, diminui, dói fundo. Essa não existência em vida nos fragiliza a ponto de sermos obrigados a aceitar tudo aquilo que o outro tem a nos oferecer, mesmo que passando por cima de nossa dignidade. Somos violentados, ouvimos ofensas, suportamos olhares frios, gestos humilhantes, escapadas infiéis de quem justamente deveria nos completar, somar vida à nossa, numa equação equilibrada com saldo positivo.

Mas não; expostos em toda nossa vulnerabilidade, somos, afinal, vistos como seres sem vida, sem personalidade, sem verdades, sem nada, nada mais do que um vazio a ser preenchido como aprouver ao parceiro. E não ousamos nos separar da aparente fonte de vida única que temos; falta-nos o ar sem a presença do outro, falta-nos dignidade suficiente para sabermos o que queremos e percebermos que aquela relação está nos matando aos poucos, a despeito dos aconselhamentos de familiares e amigos, dos machucados internos e/ou externos, da miséria estampada em nosso semblante, da tristeza que acorda e dorme conosco. Porque matar esse amor significaria tirar a própria vida, afinal, a essa altura, nós já somos o outro, o outro somente.

A libertação, nesses casos, é muito sofrida, pois já nos perdemos de nós mesmos, não sabemos quem somos ou onde estivemos todo esse tempo. Tomarmos uma decisão sozinhos então requer renascimento e reconstrução, fortalecimento e motivação, pois teremos de nos olhar no espelho e enxergar alguém que estava dormente e esquecido aqui dentro de nós. Teremos que voltar a existir por nós próprios, a andar com nossas próprias pernas, a escolher, a ouvir a nossa própria voz.

O reencontro consigo mesmo é tarefa árdua, sofrida, lenta, à medida que implica o enfrentamento de fantasmas adormecidos. Por isso mesmo, anular-se em favor do outro muitas vezes nos é conveniente, porque não é fácil termos a responsabilidade de decidir e escolher, encarando, nessa dinâmica, o pior de nós mesmos. Deixarmos o parceiro decidir e agir pode parecer cômodo de início, mas inevitavelmente pagaremos um alto preço por abrirmos mão de existir – acredite, não vale a pena.

Entregar-se sem se impor como uma pessoa que pensa, vive e sente, é como lançar-se de encontro à própria morte, ao esvaziamento de si, ao deixar de existir. Esse espaço vazio que nos tornamos será fatalmente preenchido pela tirania alheia. Antes de nos entregarmos, portanto, devemos estar prontos, seguros do que somos e queremos, pois amar nunca é uma via de mão única. Os relacionamentos amorosos necessitam de compartilhamento, troca, aceitação e renúncias de ambas as partes. Se não trouxermos nada aos encontros da vida, para oferecermos como câmbio, estaremos fadados à dependência do outro e seremos obrigados a aceitar o prazer e a dor alheia em sua totalidade, na maioria das vezes em detrimento da nossa dignidade.

Entraremos, paulatinamente, em franca decadência emocional, o que nos deixará enfraquecidos e nulos, distantes de nossas verdades, achatados em nossa existência, tolhidos na busca pela felicidade. Libertar-se, nesses casos, será tão essencial quanto aparentemente impossível. Contudo – e felizmente -, é possível, sim; como tudo o mais nessa vida, dependerá principalmente de nós mesmos. Porque todos temos direito a um relacionamento que soma, acrescenta, acalenta e liberta. Porque todos temos o direito ao amor  que cura.

COMPARTILHE
Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.



COMENTÁRIOS