Quando não se tem consciência do próprio corpo: a gordorexia

Algumas características psicológicas dos transtornos alimentares são obsessão pela forma física, por um corpo idealizado, magro e conforme um modelo socialmente aprovado (reforço social positivo). O anseio pelo corpo perfeito pode levar a atitudes extremas que colocam a vida em risco. No caso da anorexia nervosa, a restrição alimentar (recusa em ingerir alimentos considerados perigosos) e os rituais de contar calorias e pesar as porções são mantidos pela crença de se estar acima do peso e necessitar emagrecer mais. Mesmo estando assustadoramente magra, a pessoa percebe-se gorda.

Se transtornos mais investigados, como anorexia nervosa e bulimia nervosa, ainda demandam estudo, por sua complexidade, por apresentarem subtipos diagnósticos e pela migração de uma síndrome para outra, além de outros fatores, o que dizer de distúrbios tão pouco conhecidos que não têm literatura ou pesquisa científica? Este é o caso da gordorexia, que ainda não é reconhecida como doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS), não possui critérios diagnósticos e não tem respaldo científico.

Mas o que é a gordorexia? Trata-se de um distúrbio de imagem, quando a pessoa obesa não tem consciência do excesso de peso, ou seja, não se percebe gorda, mesmo ao se olhar no espelho. Até porque as pessoas com este transtorno evitam espelhos de corpo inteiro, ao contrário das anoréxicas, que os buscam obsessivamente. O insight dá-se, em geral, quando a pessoa vê uma fotografia sua que mostre o corpo todo ou desenvolve problemas de saúde decorrentes do excesso de peso, como pressão alta e diabetes, vai ao médico, precisa se pesar e é confrontada com a realidade.

Na consulta, é comum ouvir que o ganho de peso começou depois de gravidez, perda emocional (luto, separação), demissão, ou que a pessoa sempre fez dieta por conta própria, emagreceu, não manteve o ganho nem mudou hábitos ou prestou atenção aos aspectos emocionais e voltou a engordar, o conhecido efeito sanfona. O aumento de peso pode ser gradual, ocorrendo ao longo do tempo, e as roupas vão se adaptando à silhueta: peças com numeração maior, calças com elástico na cintura, blusas mais largas. A gordorexia piora o quadro da obesidade, pelo fato de a pessoa não cuidar da alimentação e cometer excessos sem preocupação com as consequências. É um distúrbio de imagem que, atualmente, só pode contar com os protocolos de tratamento desenvolvidos para os casos de obesidade.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) aborda o aumento da autoestima, modificação das crenças, treinamento em resolução de problemas e em habilidades sociais, manejo do estresse, avaliando também as possíveis comorbidades associadas. A TCC, resumidamente, visa mudança nos pensamentos, o que produzirá transformação emocional e comportamental duradoura.

COMPARTILHE
Maria Cristina Ramos Britto
Psicóloga com especialização em terapia cognitivo-comportamental, trabalha com obesidade, compulsão alimentar e outras compulsões, depressão, transtornos de ansiedade e tudo o mais que provoca sofrimento psíquico. Acredita que a terapia tem por objetivo possibilitar que as pessoas sejam mais conscientes de si mesmas e felizes. Atende no Rio de Janeiro. CRP 05/34753. Contatos através do blog Saúde Mente e Corpo.



COMENTÁRIOS