As portas estão abertas, só falta atravessar.

 Por Marcela Picanço

É realmente muito difícil a gente abrir os olhos e perceber que as portas estão todas abertas, escancaradas na nossa frente. A gente pode escolher qualquer uma, mas é muito difícil aceitar uma mudança brusca na vida. Eu não sei se percebi isso depois que mudei de cidade e vim parar sozinha na cidade maravilhosa, que parecia mais caótica do que bonita nas primeiras semanas. Mas hoje consigo entender de uma forma que eu não entendia antes que, realmente podemos escolher a vida que queremos. Não, não é fácil. Não é como optar por comprar um picolé de limão ou chocolate, não é como optar por ir a uma festa ou ficar em casa.

Mudar significa chacoalhar com as nossas certezas, com nossas ideias e olhar tudo como se fosse novo. Já tive épocas em que eu amava rotina, outras em que eu queria deixar tudo de lado e me jogar no mundo. Me joguei. Sem a certeza de nada e com a expectativa de ser uma escritora e atriz foda num lugar onde todo mundo quer a mesma coisa. Não vou dizer que foi tranquilo e que não passei por noites em claro pensando o que eu fiz da minha vida, mas na manhã seguinte eu sentia o cheiro do mar e achava que eu não poderia estar em outro lugar. Meu lugar preferido é onde eu quero estar e agora me sinto muito mais aberta para as mudanças da vida.

Acho que eu tivesse que me mudar pra Bogotá, São Paulo ou Japão eu não teria problema. (Tá, Bogotá talvez não). Já me mudei antes, já sei que final dá certo, já morei sozinha, já passei aperto, conheci gente chata e pessoas que atravessaram minha vida e me causaram um tsunami mental. Eu sempre gostei muito gente. Dos gostos, das opiniões, das histórias. Confesso que também tenho muita preguiça de gente com discurso raso, mas já parei para ouvi-las e eram pessoas com um coração enorme, apesar da cabeça pequena. É muito difícil não julgar e mais difícil ainda quando a gente julga e quebra a cara. Mas acho que viver é se surpreender e pra se surpreender é preciso dar chances. Para os outros e para você mesmo. Eu tento sempre me dar uma segunda chance.

Muitas vezes, para que haja mudança é preciso que aconteça alguma coisa que te tire da zona de conforto. Uma morte, término de relacionamento, uma briga ou uma demissão. E quando isso acontece é muito mais difícil perceber que as outras portas ainda estão abertas. Parece que o mundo inteiro se fechou pra você. Só existe a sua janela aberta, olhando para as pessoas do prédio da frente, cheias de vidas, de expectativas com o futuro. Parece que o mundo acabou ali.

A gente vai voltando aos poucos ou às vezes dá um estalo e a gente muda o rumo das coisas. Eu sempre gostei de mudar o rumo das coisas. Quantas coisas falei que nunca faria e fiz. Subir num palco e interpretar um personagem? Nossa, pensei que jamais faria isso. Eu tinha medo até de ler um parágrafo na sala de aula da escola. Tinha muito medo de mim. Até que eu resolvi ir testando essas portas que estão sempre abertas para a gente. Algumas deram certo, outras eu preferia não ter aberto. Mas eu nunca saberia se eu não tivesse tentando.

Acho que dar errado é tão bom quanto dar certo, porque no final a gente sempre leva alguma coisa de bom. E quanto mais portas abrimos, mais percebemos que existem outras portas abertas e outras se abrem como uma dimensão infinita. E como eu gosto desse frio na barriga, do medo da mudança, de saber que eu sou livre, completamente livre pra ser o que e quem eu quiser. Sim, sim, eu sei que isso terá consequências. Mas depois de abrir algumas portas por escolha sua, você passa a aceitar as consequências de forma mais branda. Os resultados serão um problema seu (e de quem gosta muito de você, que vai encarar essas consequências também, sempre! Ainda bem que essas pessoas existem). Sei que vão falar um milhão de vezes “Não! O que você tá fazendo com a sua vida?” A única coisa que eu sei é que eu sei exatamente o que eu estou fazendo da minha vida. Eu estou vivendo. Porque eu não quero nunca achar que é tarde demais pra abrir e atravessar outra porta.

Veja também: 12 coisas que somente pessoas que saíram de sua cidade natal entenderão.

PORTAS ABERTAS
Na imagem, reprodução de cena do filme “Nárnia”, caracterizado por um guarda-roupas antigo que dava passagem para um mundo paralelo.

1186102_10153159878980026_889543665_n-thumb-200x200-78694MARCELA PICANÇO: colunista CONTI outra

Atriz, roteirista, formada em comunicação social e autora do Blog De Repente dá Certo.
Pira em artes e tecnologia e acredita que as histórias são as coisas mais valiosas que temos.

Você achou esse conteúdo relevante? Compartilhe!

COMPARTILHE
Marcela Picanço
Atriz, roteirista, formada em comunicação social e autora do Blog De Repente dá Certo. Pira em artes e tecnologia e acredita que as histórias são as coisas mais valiosas que temos.



COMENTÁRIOS