Por que às vezes é tão difícil amar?

Certa vez assisti à entrevista de um psiquiatra que afirmava que deveríamos considerar natural quando não conseguimos amar alguém de nossa família: uma mãe, um pai, um irmão ou ainda um filho ou uma filha. Na época, eu era jovem demais para absorver o assunto.

Na prática, passamos a vida buscando o amor e aceitação de nossos pais, ainda que de forma inconsciente. São essas pessoas, as que mais exercem influência sobre nós: em como nos relacionamos com o mundo, com os nossos conjugês, em nossas vidas profissionais, com nossos filhos e com o que somos. A auto-estima, segurança e força reside diretamente na relação que possuímos com nossos pais. E a partir daí, se reflete em todas as outras relações: com nossos filhos, amigos, colegas e até com os desconhecidos.

Somos todos metade pai e metade mãe. Geneticamente recebemos suas características físicas, intelectuais e até mesmo neurológicas. Independente de ter havido convivência ou não, a forma de pensar de uma pessoa pode ser quase igual a de seu pai ou de sua mãe. A estrutura de pensamentos e argumentos chega a ser tão parecida que, mesmo que nunca tenham se falado na vida, se assemelham em sua forma de pensar e opinar sobre um determinado assunto.

É claro que existem casos extremos de dificuldade entre pais e filhos, quando houve agressão ou negligência de várias ordens. Nesses casos, não se pode esperar que haja amor por parte dos filhos em relação aos seus pais, mas há de se trabalhar o perdão e a inculpabilidade por parte desses filhos, para que possam ter uma vida normal, sem traumas e dores que refletiriam em todas as áreas de suas vidas. Pode não haver amor, mas nunca deve existir a negação desses pais. Negar a existência de um pai ou uma mãe é como negar a si mesmo, o que gera problemas profundos, ao invés de soluções. Se acentua o problema e a dor, quando o aceitar os fatos como eles são é o que permite se seguir adiante.

Mas mesmo em relações comuns entre pais e filhos, onde não há caso de negligência ou abuso, também sempre haverá conflitos: diferença de ideias, personalidades e comportamentos. Toda relação entre pais e filhos é delicada e importante. O amor maior reside ali e por consequência toda necessidade de carinho, afeto, compreensão e motivação. E quando qualquer dessas expectativas não é suprida, a falta dela é sentida de forma acentuada.

Decepcionar-se com um amigo, um vizinho ou um professor da escola pode frustrar e machucar, mas o mesmo nível de decepção com um pai ou uma mãe causa um prejuízo mais extenso. A expectativa é sempre maior sobre nossos pais. E por isso as frustrações em relação aos mesmos é mais intensa.

Quando existe uma decepção entre pai e filho, sentimos o nosso eu interior ferido da forma mais intensa possível. Tudo que percebo de ruim em meus pais, é como se fosse em mim mesmo e por isso dói tanto. Antes se decepcionar com qualquer pessoa do que com os pais. Daí a dificuldade de amar. Porque amamos demais e não há como fugir deste amor. Se fugimos, criamos um sofrimento maior, que cresce indefinidamente.

Do ponto de vista dos pais ou dos filhos toda dificuldade desta delicada relação gera uma dor que tem que ser trabalhada com amor e paciência. Sem manual de instrução, passamos a vida trilhando os próprios caminhos para aperfeiçoar a nossa maneira de amar e receber amor.

Nas dores de cada um, que só nós conhecemos, somente com a maturidade da vida aprendemos a reconhecer o quão sagrado são essas relações e sentimentos.
No mais, toda ajuda profissional é bem-vinda. Porque amar pode doer, mas negar o amor nos fere a alma.

COMPARTILHE
Carolina Vila Nova é brasileira. Tem cidadania alemã, 40 anos. Escritora e Roteirista. É autora dos seguintes livros: “Minha vida na Alemanha” (Autobiografia), “A dor de Joana” (Romance), “Carolina nua” (Crônicas), “Carolina nua outra vez” (Crônicas), “Vamos vida, me surpreenda!” (Crônicas), “As várias mortes de Amanda” (Romance), “O dia em que os gatos andaram de avião” (Infantil), “O milagre da vida” (Crônicas) e "O beijo que dei em meu pai" (Crônicas). "Nosso Alzheimer." (Romance), Disponíveis na Amazon.com e Amazon.com.br



COMENTÁRIOS