Os sete pecados de nosso sistema de educação forçado

Educação forçada: como o termo prisão, esse termo soa pesado. Mas, se temos uma escolaridade obrigatória, então temos educação forçada. O termo obrigatório, se ele tem qualquer significado, significa que a pessoa não tem escolha quanto a isso.

A reflexão que vale é a seguinte: seria a educação forçada – e a consequente prisão de crianças – uma coisa boa ou uma coisa ruim?

Aqui estão algumas das razões para se acreditar que é uma coisa ruim, em uma lista com os “sete pecados” do nosso sistema de educação forçada:

1. Negação de liberdade com base na idade.

Para prender um adulto, precisamos provar, em um tribunal de direito, que a pessoa cometeu um crime ou é uma séria ameaça para si mesma ou aos outros. Ainda assim, encarceramos crianças e adolescentes na escola apenas por causa de sua idade: este é o mais flagrante dos pecados da educação forçada.

2. A promoção de vergonha, por um lado, e arrogância, por outro.

Não é fácil forçar as pessoas a fazer o que elas não querem. Nós não usamos a palmatória, como professores faziam antigamente, mas contamos com um sistema de controle incessante, classificação e ranking das crianças em comparação com os seus colegas. Nós, assim, distorcemos os sistemas emocionais humanos de vergonha e orgulho para motivar as crianças a fazer o trabalho. As crianças são colocadas a se sentir envergonhadas se tiverem um desempenho pior do que os seus colegas e orgulho se tiverem um melhor desempenho. Vergonha leva alguns a abandonar, psicologicamente, o esforço educacional e a se tornar palhaços de classe (não muito ruim), ou valentões (ruim), ou abusadores e traficantes (muito mau). Aqueles que são colocados a sentir orgulho excessivo das realizações rasas que fazem eles ganharem um A (ou 10) e honrarias podem tornar-se arrogantes, desdenhosos dos outros comuns que não se saem tão bem em testes; desdenhosos, portanto, dos valores e processos democráticos (e este pode ser o pior efeito de todos).

3. Interferência com o desenvolvimento da cooperação e nutrição.

Nós somos uma espécie intensamente social, concebida para a cooperação. As crianças naturalmente querem ajudar os seus amigos, e até mesmo na escola elas encontram maneiras de fazer isso. Mas o nosso sistema baseado na competição de classificação e graduação de estudantes trabalha contra a unidade cooperativa. Além disso, a divisão de idades forçada que ocorre na própria escola promove a concorrência e bullying e inibe o desenvolvimento de nutrição. Ao longo da história humana, as crianças e adolescentes aprenderam a serem atenciosos e prestativos através de suas interações com as crianças mais jovens. O sistema escolar graduado em idade os priva de tais oportunidades.

4. Interferência com o desenvolvimento da responsabilidade pessoal e auto-direção.

As crianças são biologicamente predispostas a assumir a responsabilidade por sua própria educação. Elas brincam e exploram de formas que lhes permitem aprender sobre o mundo físico e social em torno delas. Elas pensam sobre o seu próprio futuro e tomam medidas para se preparar para isso. Confinando as crianças na escola e em outras atividades de adultos, e preenchendo seu tempo com tarefas, os priva das oportunidades e tempo que eles precisam para assumir suas responsabilidades. Além disso, a mensagem implícita e às vezes explícita do nosso sistema de escolaridade obrigatória é: “Se você faz o que é dito para se fazer na escola, tudo vai funcionar bem para você”. As crianças que caem nisso podem parar de assumir a responsabilidade por suas próprias educações. Elas podem assumir falsamente que alguém tenha descoberto o que elas precisam saber para se tornar adultos bem sucedidos, então elas não têm que pensar nisso. Se suas vidas não funcionam tão bem, elas tomam a atitude de uma vítima: “A minha escola (ou pais ou sociedade) me falhou, e é por isso que a minha vida é toda ferrada.”

5. Relacionar aprendizagem com medo, repugnância e trabalho forçado.

Para muitos estudantes, a escola gera intensa ansiedade associada com a aprendizagem. Os alunos que estão aprendendo a ler e são um pouco mais lentos do que o resto se sentem ansiosos sobre a leitura na frente dos outros. As provas geram ansiedade em quase todos que as levam a sério. Ameaças de fracasso e vergonha associada à insuficiência geram enorme ansiedade em alguns. O princípio psicológico fundamental é que a ansiedade inibe a aprendizagem. A aprendizagem ocorre melhor em um estado brincalhão, e a ansiedade inibe a ludicidade. A natureza forçada da escolaridade transforma a aprendizagem em trabalho. Os professores até chamam isso de trabalho: “Você deve fazer o seu trabalho antes de você poder brincar”. Assim, aprender, algo que crianças biologicamente anseiam, torna-se uma labuta – algo a ser evitado sempre que possível.

6. Inibição do pensamento crítico.

Presumivelmente, um dos grandes objetivos gerais da educação é a promoção do pensamento crítico. Mas apesar de todo esforço que os educadores se dedicam a esse objetivo, a maioria dos estudantes – incluindo a maioria dos “estudantes de honra” – aprendem a evitar pensar criticamente sobre seus trabalhos escolares. Eles aprendem que sua função na escola é obter notas altas em testes e que o pensamento crítico apenas desperdiça tempo e interfere. Para conseguir uma boa nota, você precisa descobrir o que o professor quer que você diga e, em seguida, dizer isso. O sistema de classificação, que é o principal motivador no nosso sistema de educação, é uma força poderosa contra o debate honesto e pensamento crítico em sala de aula.

7. Redução da diversidade de competências, conhecimentos e formas de pensar.

Ao forçar todos os alunos através do mesmo currículo padrão, podemos reduzir as suas oportunidades para seguir caminhos alternativos. O currículo escolar representa um pequeno subconjunto das habilidades e conhecimentos que são importantes para a nossa sociedade. Neste dia e época, ninguém pode saber mais do que um pedaço de tudo que há para saber. Por que forçar todo mundo a aprender a mesma coisa? Quando as crianças são livres – como já observado em escolas alternativas e homeschooling (educação em casa) – elas tomam caminhos novos, diferentes e imprevisíveis. Elas desenvolvem interesses apaixonados, trabalham com afinco para se tornar especialistas em áreas que as fascinam, e, em seguida, encontram maneiras de ganhar a vida através da prossecução dos seus interesses. Os alunos forçados através do currículo padrão têm muito menos tempo para perseguir seus próprios interesses, e muitos aprendem bem a lição de que seus próprios interesses não contam; o que conta é o que é medido em testes das escolas. Alguns superam isso, mas muitos não o fazem.

Fonte: Psychology Today, Notícias Alternativas

eu não queroi ir a escola

 

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS