Onde existe verdade, ali repousa o amor

Enquanto não formos inteiros, completos e reais, não estaremos prontos para o amor, para o encontro com o outro, pois não seremos dignos de receber de ninguém o que não estivermos dispostos a dar em troca.

Há quem o encontre prematuramente, no despertar da puberdade; há quem o receba na maturidade dos anos e há quem o espere pela vida toda. Não importa onde ou em que fase da vida estamos, o amor sempre se destacará em meio a nossas prioridades e jamais nos cansaremos nem desistiremos de achá-lo e de desfrutar de tudo o que ele traz, suas dores e alegrias, os encontros e desencontros, o sim e o não. Tão infinito em sua completude, tão contraditório em si é mesmo o amor, necessário e vital como o ar que respiramos, combustível do pulsar de nossos sentidos.

Mais difícil do que encontrá-lo, no entanto, é conseguirmos mantê-lo vivo dentro de nós e de quem nos rodeia, demorá-lo o suficiente para que não enfraqueça sob o peso amargo do dia-a-dia célere e frio a que nos lançamos, para que não se perca por entre as cobranças, as expectativas frustradas, o enfrentamento dos dissabores, do preconceito e das dificuldades financeiras; para que não se torne surdo às madrugadas insones à beira do berço, aos pedidos de socorro estampados nos olhos dos filhos, aos gritos mudos das carências do parceiro, à libido amortecida pelas contas a pagar ao fim de cada mês.

Mais difícil ainda é lembrar-se de reacendê-lo continuamente, com palavras gentis, cumplicidade no olhar, vidas entrelaçadas, corpos e almas que se tocam, mãos estendidas quando se pede ajuda, ouvidos atentos quando se pede compreensão, sinceridade quando se requer opinião. É preciso dormir e acordar o amor, afagá-lo, abastecê-lo, dar-lhe a devida atenção, porque ele não sobrevive somente do que aconteceu, do que foi dito e feito tempos atrás, e sim do que existe aqui e agora, das verdades que caminham em nossas vidas diariamente.

O amor não aceita desaforo, violência, desamparo, vaidade, preconceito ou orgulho. Não se prende a bens materiais, aparências, beleza física vazia, tampouco a desprezo. Não suporta ser esquecido, maltratado, cobrado, nem se rende a perfumes, flores e outros presentes, se isentos de sinceridade. Amor não se compra, amor não se ludibria, amor não se corrompe. É forte o bastante para resistir à dor, à doença, às cicatrizes no corpo e na alma, embora sucumba, mesmo que lentamente, à traição e à mentira, à dissimulação e ao abandono.

Não se ama sendo o que não quer ser, falando o que não tem fundamento em si, agindo contrariamente aos impulsos, sobrepondo o outro a tudo o que é seu. Porque o amor brota de dentro de nossas verdades para sair à procura de onde houver arrebatamento sincero. Enquanto não formos inteiros, completos e reais, não estaremos prontos para o amor, para o encontro com o outro, pois não seremos dignos de receber de ninguém o que não estivermos dispostos a dar em troca.

Não estaremos preparados para compartilhar amor pleno, caso ainda não tenhamos certeza de quem somos, do que e de quem queremos, caso ainda não sejamos honestos por inteiro. O amor é preenchimento, jamais solidão. É afirmação e aceitação, é avidez por viver e respirar com liberdade, mantendo-se sempre a postos, dentro e fora de nós. No entanto, só irá e virá ao encontro daquilo que for verdadeiro e somente pousará junto de quem for leal a tudo o que define a própria essência, de quem não mente para si mesmo.

Porque então o amor saberá que ali terá menos chances de sofrer a dor de ser esquecido e menosprezado, ali se intensificará e multiplicará. Porque então poderá ser verdadeiro, como todo e qualquer amor tem de ser, como diz o nosso poetinha, infinito enquanto durar. E que assim se preencha toda a dimensão dos nossos sonhos…

COMPARTILHE
Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.



COMENTÁRIOS