“O terror que nos traz a onda da imigração”, por Bauman

Zygmunt Bauman, hoje um dos pensadores mais influentes do mundo, foi forçado ao exílio em várias ocasiões. A primeira vez em 1939, quando ele fugiu da Polônia para a Rússia, sendo um jovem judeu, semelhante aos refugiados que depois de sobreviver a guerras e atravessar o Mediterrâneo são agora objeto de nossos medos, ao invés de nossas condições de solidariedade. E a dialética da integração e expulsão de grupos sociais da modernidade é uma das questões que mais tem estudado.

Parece que não somos capazes de resolver a questão dos imigrantes.

O volume e a velocidade da onda atual de migração é uma novidade e um fenômeno. Não é de admirar que tenha encontrado os cidadãos e políticos desavisados: material e espiritualmente. A imagem de milhares de pessoas desenraizadas acampadas nas estações provoca um choque moral e um sentido de alarme e angústia, como sempre acontece em situações em que temos a impressão de que “coisas que estão além do nosso controle.” Mas se olharmos de perto os modelos sociais e políticos que respondem à “crise” na “emergência de imigração”, há poucas novidades. Desde o início da modernidade, refugiados da brutalidade da guerra e despotismo, da vida sem esperança, ter atingido as nossas portas. Para as pessoas desse lado da porta, essas pessoas eram sempre “estranhos”, “outros”.

Então, nós estamos com medo. Por que razão?

Porque parecem terrivelmente imprevisíveis em seus comportamentos, ao contrário das pessoas com quem nos relacionamos em nossas vidas diárias e que sabem o que esperar. Os estrangeiros poderiam destruir as coisas que gostamos e comprometer nosso modo de vida. Dos estrangeiros sabemos muito pouco para ler seus modos de comportamento, adivinhar suas intenções e o que eles vão fazer amanhã. Nossa ignorância sobre o que fazer em uma situação que não controlamos é a maior razão para o nosso medo.

-O medo leva a buscar bodes expiatórios? É por isso que se fala deles como portadores de doenças? Será que as doenças seriam metáforas de nosso desconforto social?”

Em tempos de uma acentuada falta de certezas existenciais, cada vez mais precárias, em um mundo à beira da desregulamentação, os novos imigrantes são vistos como portadores de más notícias. Eles nos lembram do que teríamos preferido esquecer: nos apresentam até que ponto forças poderosas, globais, distantes das que ouvimos falar, mas que permanecem indescritíveis para nós; em que medida estas forças misteriosas são capazes de determinar nossas vidas, independentemente de nossas próprias escolhas não sabemos. Agora, os novos nômades, imigrantes, vítimas colaterais dessas forças, por uma espécie de lógica perversa acabam sendo percebidos como a vanguarda de um exército hostil a serviço das forças misteriosas que estão colocando suas tendas no meio de nós. Os imigrantes lembram-nos de maneira irritante como é frágil nosso bem-estar, parece que temos um monte de trabalho. E para responder à pergunta, bode expiatório: é um hábito, um uso humano, demasiado humano, processar e punir o mensageiro pela mensagem de ódio que ele carrega. Nós desviamos nossa raiva das forças indescritíveis e distantes da globalização ao assunto, por assim dizer, “vigários” para com os imigrantes de forma justa.

– Fala do mecanismo graças ao qual cresce o consenso de forças políticas racistas e xenófobas. Há partidos acostumados a usar seu capital eleitoral fazendo oposição à “redistribuição de dificuldades” (ou benefícios), e isto rejeitando compartilhar o bem-estar de seus eleitores com a parte menos afortunada da nação, o país, o continente (por exemplo Liga do Norte). Esta é a tendência entrevista, ou melhor, preanunciada há muito tempo no filme Napoletani para Milano, de 1953, de Eduardo De Filippo, e manifestada nos últimos anos, na recusa de compartilhar o bem-estar dos lombardos com as partes menos afortunados país.

-Uma vez na Europa, foi a esquerda a que se integrava aos imigrantes, através de organizações no território, sindicatos, trabalho político … e agora não há mais bairros operários, faltando instituições e as formas de integrar os trabalhadores. Mas, principalmente, a esquerda, em seu programa faz um aceno de cabeça para a direita com uma promessa: nós faremos o que você faz, mas melhor. Todas estas reações estão longe de ser as verdadeiras causas da tragédia que estamos testemunhando. Eu estou falando, na verdade, uma retórica que não nos ajuda a evitar afundando cada vez mais nas águas turvas da indiferença e da desumanidade. Tudo isto é contrário ao imperativo kantiano de não fazer aos outros aquilo que não queremos que nos façam.

O que agora o que se deve fazer?

Necessita-se de nós que podemos nos unir, não dividir. Seja qual for o preço da solidariedade com garantia real e vítimas diretas das forças da globalização que prevalecem sobre o princípio “divide et impera”, seja qual for o preço dos sacrifícios que terão de pagar por isso imediatamente, solidariedade a longo prazo continua a ser a única maneira de dar uma esperança realista de conter futuros desastres e não piorar a catástrofe contínua.

Fonte indicada: Blog A Crítica

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS