O que fazer se você ama uma pessoa que possui uma grave doença psiquiátrica

Por Josie Conti

Ontem, enquanto tomava um sorvete com a minha sobrinha, acontecia numa mesa próxima uma conversa familiar que envolvia a readaptação de um dos membros a rotina social após o que provavelmente seria um isolamento prolongado desencadeado por uma doença psiquiátria e isso me fez pensar e pesquisar alguns tópicos que podem ser úteis para quem convive com essa realidade.

Segundo o Manual Merck de Informação Médica, os transtornos mentais acometem, em algum momento da vida, ao menos 20% da população mundial de menor a maior gravidade.

Quem possui um familiar ou convive com alguém que precisa ou já precisou de um tratamento assim sabe que o adoecimento pode interferir significativamente nas reações pessoais chegando até mesmo a transformá-las totalmente ao longo do tempo.

Todos os envolvidos sofrem impactos em sua rotina e em seu próprio emocional, pois a doença exige atitudes que talvez as pessoas nunca tenham tido a necessidade de tomar em suas rotinas anteriores.

Frente a esse desafio e sabendo que os familiares e pessoas realmente próximas serão as que mais terão contato com a doença- a pessoa acometida precisará deles diversas vezes- torna-se necessário um constante cuidado também com os que estão próximos.

O acompanhamento e a orientação psicológica familiar é fundamental em todas as etapas, pois ajudará os envolvidos a aumentar sua percepção quanto a atitudes que vão desde superproteção e infantilização ao excesso de críticas e revolta. A culpa dos familiares também pode ser uma constante, pois muitos responsabilizam-se pela doença de um filho que pode ter ligação à genética da família assim como por não conseguir estabilizar a situação como gostaria.

Seguem abaixo algumas orientações que podem auxiliar nesse processo:

1- APRENDA SOBRE A DOENÇA

Quando nos informamos ficamos mais preparados para reconhecer e lidar com os sintomas quando eles aparecem. A informação diminui o medo e a ansiedade, pois mostra como as coisas realmente são, nos dá a possibilidade de procurar ajuda mais adequada e no momento certo e, talvez o mais importante, diminui o preconceito. Saber como as coisas acontecem também nos permite ter expectativas mais realistas e respeitar melhor o tempo necessário para cada melhora.

2- ACEITE A DOENÇA

Quanto antes as pessoas próximas aceitarem a realidade do adoecimento melhor será para o tratamento e também para a pessoa que adoeceu. Uma vez que aceitamos a doença fica mais fácil procurar e receber a ajuda necessária assim como aderir aos tratamentos psicológicos e medicamentosos que podem estar atrelados ao processo.

3- AJUDE, MAS NÃO SE ESQUEÇA DE VOCÊ

Alguns tratamento podem ser longos e demandar muito de todos os envolvidos. A pessoa próxima deve ajudar, mas nunca se esquecer de si e também de suas próprias necessidades. É fundamental resguardar um tempo para si mesma e suas próprias particularidades. A própria pessoa que está em tratamento, sempre que possível, também deve ter sua autonomia preservada e estimulada para evitar estresse, ressentimentos e culpabilizações desnecessárias.

4- NÃO SUBESTIME

Transtornos mentais graves estão associados a um aumento real nas taxas de suicídio. Tanto a confusão mental quando a o sofrimento e a sensação de falta de perspectivas podem estimular tentativas de suicídio. Esteja atento às falas e sinais. Na dúvida, não subestime e converse com a pessoa e os profissionais envolvidos sobre o assunto. A observação mais próxima e até controle dos medicamentos pode ser necessário.

5- SEJA FLEXÍVEL PARA ATINGIR OS FINS NECESSÁRIOS

A pessoa que está doente sempre terá alguém em quem mais confia. Ofereça opções e busque essas pessoas para ajudar nos passos necessários. A doença já causa sofrimento demais e todas as decisões que antes poderiam ser mais simples tornam-se mais complexas e assustadoras.

6- ENCORAGE A PESSOA A TOMAR SUAS MEDICAÇÃO, MAS NÃO SUBESTIME SEUS EFEITOS COLATERAIS

Algumas medicações psiquiátricas, como os antipsicóticos, podem ter efeitos colaterais importantes. Esteja atento às queixas da pessoa e as passe ao médico. Dependendo da situação também pode ser necessária a ajuda para o manuseio e o uso da medicação em horário correto. A recusa em tomar a medicação também deve ser conversada e discutida com os profissionais envolvidos.

7- O ACOMPANHAMENTO DE UM PSICÓLOGO E OUTROS PROFISSIONAIS DA SAÚDE NUNCA DEVE SER CONSIDERADO COMO MENOS IMPORTANTE QUE O TRATAMENTO MEDICAMENTOSO

A pessoa com uma doença psiquiátrica pode ter todas as áreas de sua vida afetadas. Acontecem alterações nas relações familiares, no emprego, na vida social geral. O acompanhamento no processo de reabilitação emocional e funcional é indispensável e deve ser estimulado, apoiado e ter a participação de todos os envolvidos.

8- EM UMA EMERGÊNCIA

  • Tenha sempre em mãos os telefones das pessoas que podem ajudar assim como do médico, psicólogo e até mesmo do resgate.
  • Se a pessoa ficar agressiva ou desorientada lembre-se que não adianta discutir com ela. Tenha calma para administrar a situação até que a pessoa melhore ou vocês consigam ajuda. Tente distrair a pessoa e não permita que ela saia de casa ou fique desacompanhada. A intervenção física só deve acontecer se a pessoa estiver colocando em risco a sua própria vida ou a vida do outro. Qualquer situação desse tipo deve ser informada aos profissionais que acompanham o caso.
  • Casos como o das pessoas que possuem diagnóstico de esquizofrenia podem envolver delírios e alucinações onde a pessoa possui pensamentos que não são reais ou até mesmo veem e sentem realidades de forma totalmente diferente.  Em situações como essas evite contato físico e olhar fixamente nos olhos. A pessoa certamente estará assustada e poderá reagir de forma violenta.
  • Evite a presença de pessoas estranhas e muito barulho ou estimulação no ambiente. Tente fazer com que a pessoa se sente e converse calmamente e sem elevar o tom de voz.
  • Sempre procure ajuda. Você não tem que resolver nada sozinho/a.

9- NUNCA SE ESQUEÇA QUE A PESSOA NÃO É SUA DOENÇA

Estimule a autonomia, tenha esperança no passo-a passo da recuperação e ajude a pessoa a se lembrar de quem ela realmente é. Cada passo no processo de reabilitação é uma grande vitória e deve ser comemorado. Lembre-se de focar na melhora e nos ganhos progressivos ao invés de focar nas perdas.

9- AME

Muitas vezes precisamos nos lembrar da verdadeira essência do amor para lidar com as fases que podem ser as mais difíceis da vida de todos os envolvidos. Amor é presença, amor é tolerância e aceitação. Amor também é o reconhecimento dos próprios limites.

Quando falamos em transtornos psiquiátricos, o amor pelo outro não deve superar o amor por si mesmo. O desgaste emocional e físico de quem cuida também nunca pode ser esquecido. E, nessa medida e com a ajuda das pessoas próximas, os momentos de crise podem ser ultrapassados.

“A prova de que estou recuperando a saúde mental, é que estou cada minuto mais permissiva: eu me permito mais liberdade e mais experiências. E aceito o acaso. Anseio pelo que ainda não experimentei. Maior espaço psíquico. Estou felizmente mais doida.” Clarice Lispector

Nota: As orientações acima devem ser vistas como informativas e destinadas ao público geral. Elas não substituem e nem sobrepõem-se ao prescrito pelos profissionais que acompanham o tratamento da pessoa. Converse sempre com a equipe responsável sobre suas dúvidas. Nunca tenha receio de falar ou de se informar melhor.

COMPARTILHE
Josie Conti
Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, a Josie Conti ME e sua equipe trabalham prioritariamente na internet na administração funcional, editorial e publicitária de redes sociais e sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 6.5 milhões de usuários. É idealizadora da CONTI outra, o projeto inicial que leva seu nome.



COMENTÁRIOS