O que aprendi com a morte do meu pai

Por Georgina Munaier

Nunca fui o tipo de pessoa que precisou perder algo pra valorizar. Sempre soube dar importância às pessoas ao meu redor e cuidar para que permanecessem na minha vida. Mas nem sempre isso dependeu de mim. Perder meu pai, por exemplo, não dependeu. Como morávamos em cidades diferentes, a relação ficava restrita a viagens planejadas, telefonemas, mensagens e emails.

Hoje me pergunto se deveria ter ligado mais, abraçado mais, paparicado mais, feito mais favores, ter visto mais filmes quando ele queria ficar junto de mim, ter mandado mais mensagens de “bom dia” e “saudades”. Me pergunto se eu podia ter feito diferente, ter sido uma filha melhor, ter tirado notas melhores na escola para deixá-lo feliz por se sacrificar tanto para me manter no melhor colégio de minha cidade. Me pergunto se eu deveria ter discutido menos, feito menos drama, cedido mais, ter almoçado mais vezes na cozinha junto com ele e não na sala vendo televisão. Me pergunto tanto sobre tantas coisas…

11933048-823171094448216-406874171-n (1)

Mas a verdade é que ele sabia. Ah, sabia! Ele sempre soube o quanto era amado e admirado por mim. Ele sabia que eu pensava nele todos os dias, sabia que eu mandava energias positivas antes de dormir, sabia que eu o queria por perto! Ele, assim como eu, era sempre o dono da razão e das certezas. E o que me motiva todos os dias a ser uma pessoa melhor é saber que ele tinha certeza da mulher “formidável” que eu me tornaria. E quem sou eu pra contrariá-lo, né? Se é fácil? Não. Se dá medo? Sim. Mas o interessante é que com o passar do tempo, a dor da perda começou a se aconchegar no meu corpo e aos poucos transformou-se em força, coragem, determinação e fé.

Hoje penso nele como parte de mim, a parte que me motiva, que me acalma e que acredita no meu potencial; aquilo que me sustenta e me equilibra. A base. O conforto. A segurança. A imensidão. Uma energia capaz de controlar a saudade deixada pela ausência das ligações, dos abraços e sorrisos. Uma energia que se renova a cada manhã. Uma energia que me encaminha para a direção certa, para o tão sonhado (e não presenciado) futuro que ele tanto planejou pra mim.

E escrevendo este texto, me lembrei da frase de um filme que costumávamos assistir juntos: “ELA APRENDEU A VIVER, ELE APRENDEU A AMAR”. Qualquer semelhança com a vida real, não é mera coincidência!

pititi-copy

Sobre a autora:

Georgina Munaier tem 19 anos, é estudante e apaixonada por livros, café e música. Encontrou na escrita um modo de tornar a vida um pouco mais leve e especial.

O CONTI outra agradece a Georgina pelo envio e autorização da postagem.

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS