O mundo vai muito além do que você vê

Ontem li a carta de suicídio de uma conhecida no Facebook. Graças a deus e à falta de privacidade que só a internet proporciona, sua família conseguiu chegar à sua casa à tempo e ela passa bem. Mas esse caso me fez pensar em algumas coisas.

Eu não sei nada sobre depressão.
Sim, tenho dezenas de amigos, familiares e conhecidos que já sofreram ou sofrem com essa doença. Mas não conheço ela de perto. Não sei qual é a sensação. Não sei na prática o que ela significa. Então aqui vai um apelo, uma carta, um recado, uma tentava de ajuda a todos que a conhecem de perto (também vale pra quem só anda meio desiludido com a vida mesmo).
É um pensamento que sempre me anima um pouco quando eu estou pra baixo:

O mundo não é só isso que a gente conhece.

Parece besteira, eu sei. Mas nessa frase está uma das maiores sabedorias que eu já tive o prazer de ouvir – e entender.
O mundo vai MUITO além do que a gente vê e vivencia.

Por exemplo, você sabia que no Tibet existe uma medicina que cura dezenas que doenças que a medicina tradicional não consegue até hoje?
Você sabia que no Camboja existe uma cidade toda de ruínas onde havia uma civilização inteira que desapareceu da noite pro dia?
Ou que no Japão tem uma cidade submersa no oceano?
Ou que na Dinamarca é comum as mães entrarem pra fazer compras no supermercado e deixarem seus filhos no carrinho de bebê sozinhos na calçada?

Existe tanta coisa no mundo ainda pra a gente conhecer. Milhões de pessoas maravilhosas pra a gente trocar experiências. Milhões de lugares incríveis pra visitar.

Ainda tem tanta coisa boa guardada pra acontecer na sua vida.

Não é reconfortante saber que os seus melhores dias ainda estão por vir?

Pensa nisso.

A gente fica preso nesse nosso mundo mesquinho, competitivo, egoísta, onde cada um quer ser melhor que o outro, onde ninguém liga pra ninguém, onde a gente precisa pegar um trânsito de 2h todos os dias espremida no busão pra chegar no escritório sentar e ficar de frente pro computador fazendo absolutamente nada de interessante pra depois se espremer por mais 2h no mesmo ônibus chegar em casa ir dormir exausto acordar mais cansado ainda e repetir tudo de novo. Assim sem vírgula mesmo pra ver se vocês entendem o cansaço que dá. Cansaço físico e mental. A gente vive cercado de pessoas que são todas iguais umas as outras. Que te trombam na rua e não pedem desculpas. Que te cortam no trânsito de propósito e se batem o carro acham sempre que têm a razão. Que acham que têm o direito de serem grosseiros só porque estão atrás de um celular, de um vidro de carro, de uma tela de computador.

Sério, quem não vai se sentir depressivo rodeado dessa energia?

Imagem do acervo pessoal da autora.

Mas o mundo não é isso. O mundo é o silêncio das montanhas do Himalaia, é uma festival de dança do Camboja. O mundo é uma tribo indígena da Etiópia desconhecida pela civilização, é uma sala silenciosa com monges tibetanos fazendo uma prova. O mundo é aquela pessoa que te faz acreditar que pessoas boas ainda existem, independente de todo o mal que existe por aí.

Não conhece ninguém assim? Então seja você essa pessoa. Faça os outros acreditarem.

O mundo não é só isso que a gente conhece.
O que a gente vive todo dia é uma parcela mínima de tudo o que existe na terra.
Existe muito mais lá fora. Pra você um dia conhecer.

Não deixe a rotina da sua vida te desanimar, nem o desconhecido do mundo te assustar.
Faça da sua rotina um esforço diário para ir atrás dos seus verdadeiros sonhos, e permita se supreender pelo o que você ainda não conhece.

Se isso não te faz se sentir nem que seja um pouquinho melhor com a vida, encontre algo que faça. Algo que te faça acreditar, que te faça levantar da cama todos os dias.

Todo mundo tem uma razão pra estar aqui na terra; exatamente no lugar que se está. Encontre a sua e não desista até alcançá-la.

Acompanhe Amanda Areias no Facebook pela sua comunidade Livre Blog.

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Amanda Areias

Dona do blog Livre (facebook.com/livreblog)
Designer Gráfica por profissão, viajante por paixão e feminista por necessidade.​
Mochileira desde os 17 anos, sempre em busca de lugares, culturas e pessoas novas.


COMENTÁRIOS