O amor não requer provas e sim atitudes

Imagem de capa: Bogdan Sonjachnyj, Shutterstock

Não basta somente ter alguém, precisamos sentir esse alguém, saber que ele se importa, que somos parte de sua vida, que seus olhos nos procuram, que suas mãos nos tocam, que seu amor é nosso.

Carência em excesso é muito desagradável, bem como indiferença constante chega a ser cruel. Equilibrar os sentimentos, as emoções, tentando sobreviver ao dia-a-dia caótico dessa vida louca e acelerada a que nos sujeitamos, sem nos machucar ou ferir quem está ao nosso lado, será um de nossos propósitos. As obrigações e responsabilidades crescentes não podem nos desviar da manutenção da afetividade que nos completa.

Por conta dessa excessiva carga de trabalho e do cansaço que nos deixa inertes ao chegar do trabalho, muitos de nós nos sentimos mal, pois temos consciência de que estamos deixando de lado os cuidados para com os nossos queridos. Chegamos exaustos e sem vontade de nada, quando não estressados em razão dos dissabores enfrentados no dia. Com isso, tentamos compensar essa ausência emocional com presentes, com o que o dinheiro compra, mas que não preenche vazio afetivo.

Sim, é gostoso receber flores, ver a casa pintada, os jardins floridos, os móveis reluzindo, o carro novinho na garagem. É bom jantar em lugares refinados, viajar, poder olhar para um closet volumoso. O conforto material é muito importante, isso não se nega, porém, somente isso, apenas o que se vê e massageia nosso corpo não será capaz de nos preencher em toda a dimensão de nosso íntimo, de nossas necessidades afetivas.

Somos carne e essência, temos olhos e temos alma, uma alma que também clama por ser acariciada. Não basta somente ter alguém, precisamos sentir esse alguém, saber que ele se importa, que somos parte de sua vida, que seus olhos nos procuram, que suas mãos nos tocam, que seu amor é nosso. O que nos certifica o amor é a maneira como o outro sorri quando nos vê, é o tanto de verdade que vem junto com quem trazemos para nossas vidas, é o comportamento amoroso sem fingimento e afetação. É transparência.

Ainda que o cansaço extenue nosso ânimo, mesmo que o corpo se arraste, até quando nada deu certo naquele dia, chegar a nossa casa disposto a relembrar o quanto somos amados e queridos ali naquele reduto só nosso nos tornará sempre capazes de nos reerguermos e de nos fortalecermos. Porque amor correspondido é combustível de vida, amor que transpira certezas vence as dores da alma, pois é chama que não se apaga, é a eternidade brilhando dentro de cada um de nós.

COMPARTILHE
Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.


COMENTÁRIOS