O Amor e seus efeitos

O amor pode acabar? Como saber se o amor acabou? Podemos nem chegar a sentir amor por alguém? Por que tantas diferenças de amor: gato, cachorro, amigo, vizinho, colega, pai, mãe, filho, namorada, esposa, marido etc? É possível medir o amor? E a raiva? É o oposto do amor?

Só posso começar a escrever algo sobre o amor se, primeiramente, pedir licença para você. Licença essa para tratar algo tão precioso; licença por, talvez, apresentar algo que discorde de seus valores; licença, por não conseguir abordar tudo na minha escrita e licença, por essa limitação tão grosseira de usar o alfabeto para expressar o amor.

Partindo dessa liberdade que me dá, ao ler o parágrafo anterior e começar a ler essa frase, inicio dando o primeiro indício do amor: você.

Você participou da corrida mais disputada de todos os tempos: a corrida do espermatozoide em busca do óvulo. Enfrentou mais de quarenta milhões de competidores para atingir seu alvo e se tornar um vencedor. Suas chances eram quase inexistentes, mas você superou todos os desafios que lhe esperavam. No final de tudo foi premiado com o mais incrível, maravilhoso e encantador dos prêmios: o prêmio da vida. (Augusto Cury)

Imagina estarmos vivos hoje, sem que, na nossa essência, tivesse algo tão natural como o amor. É só por amor que você pôde ser gerado, é só por amor que você pôde ser nutrido, é só por amor você poder respirar e todo o seu corpo funcionar, é só por amor que você pôde ser cuidado, é só por amor que você pôde se desenvolver.

Imagine agora: entra ar, sair ar das suas narinas; o pulmão realiza a troca gasosa; o coração bombeia o sangue; as células se desenvolvem e multiplicam; é realizada a digestão e absorção do alimento que você comeu; o seu esqueleto e seus músculos o sustentam e proporcionam seu movimento; seu cérebro trabalha e seus pensamentos não param; você sente o cheiro, o toque, o gosto, vê e ouve. Nossa, quanta coisa acontece; e o que será que sustenta ou o que gerencia isso tudo? O melhor significado que tenho para isso: o Amor.

Pense nisso numa forma mais ampla: sociedade, florestas, oceano, o ar, os planetas, todo o sistema solar. Se não fosse o amor, nada disso poderia existir. Sabe quão difícil é ter vida em um planeta?

Percebendo isso, eu parto da teoria de que somos feitos de amor. Pela Física, isso pode ser uma grande tolice; queremos ver moléculas, átomos, prótons, quarks. Pela Física Quântica, talvez não, mas isso é algo que não estamos aqui, nesse momento, para provar.

Para deixar mais claro, vamos fazer uma analogia à eletricidade. Você não é capaz de ver o movimento dos elétrons (não a olho nu), mas é capaz de ver os efeitos da eletricidade sobre determinados materiais. Você consegue ver a luz visível gerada por uma lâmpada, ouvir o som reproduzido em um aparelho de som, acessar uma foto salva em um pendrive, aquecer a água em um chuveiro elétrico, ver o motor de uma máquina de lavar girando, e por aí vai.

Com o amor é a mesma coisa, o amor está em todos os lugares, inclusive em todos nós, mas apenas vemos os seus efeitos em cada ser ou objeto.

O carinho que temos por um cachorro é um efeito desse amor que carregamos, a afeição que temos por um amigo é o efeito desse amor que carregamos, o relacionamento amoroso que temos é efeito desse amor que carregamos, nossos sentimentos por nossos familiares são os efeitos desse amor que carregamos. Assim como a eletricidade, que uma hora vai ser transformada em uma luz visível, em calor, em movimento, em bits e bytes, o nosso amor também vai se transformando nessas formas de relacionamentos. Cada forma é única e incomparável.

Temos aí uma coisa que pode ser uma novidade: nós não deveríamos comparar os efeitos do amor do tipo: a quantidade de amor, a quem amo mais, qual o predileto, o preferido, qual é o amor mais forte.

Deveríamos, sim, diferenciar os seus efeitos: daquela pessoa eu escolho ser apenas conhecido, de outro escolho ser apenas colega, de outro escolho ser amigo, com outro escolho termos um relacionamento amoroso, outros são e serão sempre nossos pais, irmãos, avós, tios.

Quando deixamos de ter essa relação próxima, seja por escolhas nossas ou por questões “além da vida”, o amor não morre, ele não desaparece e ele não seca. Ele continua presente, mesmo não se tendo mais relações físicas com essas pessoas.

Por essa lógica, seria errado dizer que o amor acabou. Na verdade o amor não acabou, apenas a forma de relacionamento que vivíamos. Daí pode acontecer uma nova forma de relacionamento, ou então a opção de não se relacionar mais com essa pessoa.

“A situação mudou, assim como a nossa forma de se relacionar. Mas jamais poderei dizer que não te amo, assim como jamais poderei acreditar que você não me ama.”

Podemos amar e não conviver (por conviver ser apenas uma opção), podemos amar e ter raiva (por raiva ser apenas um sentimento), podemos amar e odiar (pelo ódio não excluir o amor e sim transformá-lo em algo negativo) e podemos amar e saber que nunca mais veremos a outra pessoa (por ela não estar mais presente, mas o amor sempre estará).

O que acontece é que queremos negar isso tudo. Isso vem do fato de que só aprendemos a agir assim. Ninguém nos ensinou a pensar e ser diferente, daí aceitamos a teoria de quem veio antes de nós e da sociedade como um todo.

Mas isso não quer dizer que estamos fadados a viver assim. Agora, nesse exato momento, podemos agir diferente.

Para fazer no AGORA:

  • Pense em todas as pessoas que convivem com você no dia a dia, imagine dizendo a elas, frente a frente, que você as ama  -  a cada uma – e que, embora o amor se expresse de forma diferente, ele existe de forma única em vocês.
  • Agora pense nas pessoas com que você perdeu contato, imagine dizendo a elas, frente a frente, que você as ama – a cada uma -,  que, embora vocês não se vejam mais, o amor sempre estará com vocês.
  • Agora, pense nas pessoas pelas quais, em você, acabou sendo gerada alguma raiva ou ódio, imagine dizendo a elas, frente a frente, que você as ama - a cada uma -,  que, embora você carregue esse sentimento, o amor é o que vocês são.

Você não precisa se justificar, não precisa voltar a ter contato. Apenas deixe de negar o amor, limpe isso em você. Deixe o amor fluir, não coloque resistência. Toda a resistência vai somatizar no seu corpo, na sua psique, na sua alma. Você não precisa disso.

Citação:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (1 Coríntios 13)

Para finalizar:

Você pode também estar se perguntando de todas as atrocidades, assassinatos e maldades que acontecem, cade o amor?

Ele está ali, só que aquela pessoa, ou grupo de pessoas, não aprendeu a produzir bons efeitos com isso, como fazemos eu e você. Assim como a mesma eletricidade acende uma lâmpada e aciona uma bomba, o mesmo amor dá a luz a um filho e mata por uma relação não correspondida ou por uma “religião” deturpada.

Para saber mais sobre o amor em objetos, veja o livro, artigo, reportagem, palestra ou filme “O poder da água” de Masaru Emoto

Que você enxergue o amor por onde quer que vá. Que você recorde que o que vemos está dentro de nós. Que você se reconheça amor.

Imagem de capa:  Kichigin/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Virgilio Magalde
Engenheiro de Formação, que largou o mundo corporativo para seguir o sonho de ser professor na área. Filósofo, escritor e poeta de coração. Atualmente desenvolvendo o hábito de ser blogueiro. Possui formação em coaching e se interessa sobre assuntos de desenvolvimento pessoal, relacionamentos, meditação, espiritualidade e demais explicações sobre o que vemos e sentimos.

COMENTÁRIOS