O amor, às vezes, chega cedo demais

Não existe uma etapa específica da vida para a chegada do amor. Essa afirmação seria ideal, mas cada um tem o seu tempo interior. Alguns, se curam logo de uma desventura amorosa e embarcam em outra relação sem olhar para trás. Outros, exercitam o amor próprio com a potência de um mantra, para só depois abrirem o coração.

A verdade é que, somos tão cheios de planos e regras para que o amor aconteça, que acabamos armando verdadeiras arapucas para o coração. O amor não precisa de ajuda, e infelizmente, muitas vezes, usamos o relacionamento anterior como bússola.

Há sempre um recorte do ex-namorado (a) assombrando a relação atual. O passado não passa e temos a mania de achar que a decepção vai se repetir. Sentimos medo de ter medo, e para evitar que isso aconteça, começamos a fazer “joguinhos”, enquanto o outro não entende a brincadeira. Está com o coração aberto, e ainda não sabe que pode ser usado como instrumento de liberação da raiva.

O amor, às vezes, chega cedo demais para quem ainda não desocupou o coração.

Para quem ainda explica o presente olhando o retrovisor do passado.

Para quem ainda está ilhado numa redoma de vingança.

Para quem ainda desconfia que pode ser amado somente pelo que é.

As pessoas são diferentes, e o amor aparece sob várias nuances.

Não há como entrar numa relação com as tralhas afetivas da anterior. Não há como desembarcar em outra vida, se o coração ainda evoca a presença de outra.

Descontar o fracasso do relacionamento anterior no atual é pura covardia e desrespeito com o próprio coração. Violação do sentimento do outro, que está ali desempenhando um papel genuíno num teatro que é só seu.

COMPARTILHE
Ester Chaves
"Seu traço escrito é atual, jovial, mas emplastrado de técnica literária. Seus temas são viscerais, nos tomam pelo nó na garganta e nos transversam de cima abaixo e por todos os lados, enquanto ela domina os ímpetos caudalosos do fluxo de consciência. Sua percepção microscópica da psique humana nos tira o fôlego.." Rândyna Cunha



COMENTÁRIOS