“Nu”, um poema de Carlos Lobato

Carlos Lobato, nascido em 1962 em Lisboa, teve o privilégio de fazer farte de uma geração jovem que viveu a transição do antigo regime em Portugal para a nova democracia, em Abril de 1974. Tempos conturbados de escola, onde o caos imperou durante alguns anos de liceu, mas com a sorte e aproveitamento de entrada no país “da cultura que se fazia lá fora”, assim como o desenvolvimento nacional das artes da escrita, música, teatro, pintura, que aos poucos foram conquistando o espaço cultural nacional, tão vazio até então. Usufruiu do negócio livreiro do pai, na altura, onde o prazer pela leitura e escrita se enraizou pelo fácil acesso a obras literárias. A escrita sempre fez parte da sua vida, não se tendo nunca preocupado em guardar o que escrevia, até muito recentemente. Habita actualmente em Londres no Reino Unido. (Fonte)

Nu

10487171_854356161244608_59801986891206627_n
Imagem via: https://soundcloud.com/mosessumney/dorm-room-jam-session/sets

Sinto-me nu.
Nudez embrionária,
recolhida ao vácuo.
A um útero feliz.

A nudez é uma parcela
tão imensa como a existência.
Uma aguarela incompleta.
Um esboço por decidir.

É a base.
Sim, claro que é a base.
Um invólucro comercial,
ainda há quem a venda.

Sinto-me nu.
Sinto uma nudez interior.
Sinto quase tudo o que não devo.
Sinto por todos.

Por tudo e por nada.

Não sei se me decida.
Nem como, nem porquê!
Não me cortem o cordão.
Não me roubem o vácuo.

É meu!
Só meu!
Como todos os outros vácuos.

Deixem-me existir sózinho.
Isento.
Incógnito.
Nu!

Carlos Lobato
21 de MAIO,2014

+ Carlos Lobato

Nota da CONTIoutra: O poema acima foi reproduzido com a autorização do autor.

Gostou? Compartilhe poesia!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS