Nossos filhos não são depósitos dos nossos sonhos

Imagem: Dusan Petkovic/shutterstock

Muitas vezes, esperamos que os filhos se tornem alguém que nós queríamos ser; desejamos que eles cursem a faculdade que nós queríamos ter feito, ou seja, transferimos aos filhos a responsabilidade de viver o que nós não vivemos quando tivemos nossa chance.

Os filhos são nosso legado, a perpetuação de quem fomos; através deles teremos a continuidade de nossa existência e de nosso amor, que nutrirão em suas mais doces lembranças. São nossos bens mais preciosos, a razão de nosso viver, o combustível que nos fortalece na luta diária, amor incondicional e verdadeiro.

Natural, portanto, querermos sempre o melhor para eles e termos orgulho do que são, de suas conquistas, da pessoa em que aos poucos vão se transformando.

No entanto, tendemos, muitas vezes, a nos concentrar demais nas suas vidas e, com isso, paramos de prestar atenção em nós mesmos, no que somos além deles. Assim, acabamos por projetar nos filhos tudo aquilo que é nosso: nossos sonhos, nossos projetos, nossas verdades.

Criamos expectativas em relação a eles que, na verdade, são expectativas nossas em relação a nós mesmos. Esperamos que os filhos se tornem alguém que nós queríamos ser; desejamos que eles cursem a faculdade que nós queríamos ter feito; ou seja, não raro transferimos aos filhos a responsabilidade de viver o que nós não vivemos.

É difícil e doloroso olharmos para trás e encarar o que não tivemos coragem de fazer, o que não tínhamos como pagar, o que não nos foi permitido por nossos pais, o que não se disse, não se viveu, não se realizou. Como não queremos que nossos filhos sofram, como nós, o gosto amargo dos arrependimentos que teimam em nos perseguir, acabamos, sem perceber ou querer, extrapolando os limites de uma orientação sadia, impondo-lhes escolhas que cabem somente a eles.

Para muitos de nós, pais, é quase impossível conformar-se resignadamente com o fato de que a vida é deles, os sonhos são deles, os erros – incontestavelmente imprescindíveis – serão deles também.

Nossos filhos são pessoas que pensam, agem e vivem de forma autônoma, possuem os próprios sentimentos, os próprios sonhos e desejos. Carregam as verdades que construíram de acordo com o que sentem, com a forma como lidam com o mundo à sua volta, e não necessariamente – raramente, na verdade – seguirão caminhos iguais aos nossos ou aos que queremos.

Lançar-se-ão ao mundo, desfrutarão as alegrias, enfrentarão os dissabores, entregar-se-ão às paixões, munidos de toda bagagem emocional acumulada à maneira deles e, por mais que não se perceba ou não pareça, sempre haverá muito do pai e da mãe ali em meio ao que os filhos carregam vida afora.

É natural nos preocuparmos com as suas escolhas, pois muitas vezes enxergamos as consequências futuras com negatividade e queremos, a todo custo, evitar-lhes frustrações. Não é fácil, por exemplo, assistir calmamente aos filhos optando por profissões pouco rentáveis, apaixonando-se por quem não nos agrada, vestindo-se de uma maneira que nos choca, ouvindo músicas que ferem nossos ouvidos.

Nesses momentos, cabe aos pais perceberem se eles estão confortáveis e felizes com aquilo, se não estão prejudicando outrem, porque nada deve importar mais do que o bem estar e a felicidade deles. Caso não estejam escolhendo caminhos ilegais, antiéticos ou autodestrutivos, é preciso deixá-los conviver com as escolhas que fizeram e com os resultados delas, por mais que isso doa.

Quanto mais vivermos a vida de nossos filhos como se fosse a nossa própria vida, menos estaremos preparados para vê-los crescer e conquistar independência, seja a financeira, seja a emocional. É natural e sadio orgulhar-se das conquistas e de quem os filhos se tornaram, porém, pais que dependem tão somente disso para a satisfação pessoal estarão irremediavelmente fadados a sucessivas quebras de expectativas.

Pautar a própria vida pelas medalhas, diplomas, desempenho escolar e troféus dos filhos é despedir-se aos poucos de si mesmo, é fugir ao autoconhecimento, que deve ser diário e que depende de olhar para si mesmo como alguém que pensa, age e possui vontades e anseios só seus, intransferíveis. Depositar nossos sonhos na vida de nossos filhos, para exibi-los como prêmios, é sobretudo injusto, pois lhes retira o direito de serem o que são, de respirarem o próprio viver.

Na verdade, não existem regras, manuais ou instruções que nos indiquem seguramente como criar os filhos, principalmente porque cada pessoa sente e reage de uma forma diferente ao que encontra pela frente. Não fosse assim, irmãos criados pelos mesmos pais seguiriam o mesmo caminho, fariam as mesmas escolhas, o que inclusive não ocorre nem com irmãos gêmeos.

Saber ponderar e diferenciar a orientação da imposição, o interesse da intrusão, o conselho da ordem expressa ao lidar com nossos rebentos é tarefa árdua, mas imprescindível para que consigamos vê-los se tornarem o que querem, buscando a felicidade e lutando com segurança em meio aos reveses da vida.

Tudo o que fizemos pelos nossos filhos estará sempre ali com eles, guardado para ser usado na hora certa, com a sabedoria que lhes permitimos desenvolver com nossos exemplos de vida. Inegavelmente, sempre teremos orgulho do que eles são, porque então nos veremos nos seus olhos e teremos a certeza de que jamais morreremos em suas memórias.

COMPARTILHE
Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS