Não contamine seu futuro com os erros do seu passado.

Quando possível, ex-marido, ex-esposa, ex-namorado ou namorada, ex-amigo, ex- emprego, ex-qualquer-coisa-que-seja, devem permanecer enterrados bem lá atrás, apenas nos lembrando, quando em vez, de tudo aquilo que não queremos mais para nossas vidas, nunca mais.

Nossa jornada é pontuada por coisas e pessoas que foram e não são mais, pois, à medida que avançamos, ressignificamos o mundo lá fora e nos reinventamos, transformando dor em saudade, esperança em esquecimento, amor em nada mais. É assim que sobrevivemos, é assim que nos tornamos mais fortes, mais sábios e melhor preparados para atravessar por entre os barrancos que surgirão pelo caminho, sendo necessário, para tanto, superarmos o que já foi, olhando sempre adiante.

Esqueça aquela história de que será possível tudo voltar a ser como era antes, não se prenda a esperanças vãs de que conseguirá alcançar o tempo perdido, pois a vida segue seu curso sem olhar para trás e é assim que devemos também caminhar. Os tempos bons, tudo o que passou, aquilo que era, nada permanece, a não ser em nossas lembranças e dentro de nossos corações.

Da mesma forma, o que foi bom, mas não durou; o que parecia perfeito, porém desmoronou, e o que transmitia segurança, até que se desestabilizou, devem se tornar foco de motivação para que prossigamos procurando por novas estradas que apaguem aquilo que não deu certo. Prender-se aos insucessos, sob lamúrias e lamentações demoradas, não terá serventia, apenas contribuirá ao aumento da carga negativa que emperra o prosseguimento necessário de nosso respirar.

Logicamente, haverá sempre algo por que valerá a pena ainda lutar, seja um amor, uma amizade, uma convicção própria, porque muito do que parece terminado pode renascer ainda mais forte e verdadeiro após as tormentas devastadoras da vida. E, se prestarmos atenção em nossos sentidos e em nossos reais sentimentos, perceberemos o que possui real possibilidade de voltar à vida, de forma a nos trazer de volta dignidades e sonhos aparentemente perdidos.

Ainda assim, na maior parte das vezes, ex-marido, ex-esposa, ex-namorado ou namorada, ex-amigo, ex-emprego, ex-qualquer-coisa-que-seja, devem permanecer enterrados bem lá atrás, apenas nos lembrando, quando em vez, de tudo aquilo que não queremos mais para nossas vidas, nunca mais. Afinal, novas chances sempre surgem, todos os dias, assim que o sol desponta lá no horizonte de nossas vidas.

COMPARTILHE
Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.



COMENTÁRIOS