Na dúvida… seja generoso. Na certeza… seja ainda mais!

A generosidade é o real milagre do coração humano que consegue, por alguns instantes, parar de bater em causa própria para bombear algo além de sangue. Generosidade é a única cura possível para a doença comportamental do isolamento afetivo.

Não se trata apenas de envolver-se em ações concretas de doação, como contribuir com dinheiro, alimentos, roupas ou remédios para pessoas em situação de emergência, penúria circunstancial ou crônica.

É isso também. Posto que gente com fome, com frio, doente ou privada de qualquer necessidade básica de sobrevivência, torna-se vulnerável tanto física, quanto psicológica e moralmente.

E no caso de estarmos em situação mais favorável, isso faz de nós gente potencialmente capaz de estender a mão, alongando para além do corpo físico uma extensão de humanidade, que além de nos fazer evoluir, oferece ao outro, condições de ultrapassar as situações de sofrimento com um tantinho a mais de substrato humano.

A desigualdade nas condições de vida, tão explícitas, já seriam um incentivo mais do que suficiente para fazer brotar no peito da gente o calor daquilo que, sem nenhuma sombra de dúvida pode ser chamado de amor.

Ser capaz de ter empatia pelo outro – e tanto faz se esse outro encontra-se geograficamente ao nosso alcance ou do outro lado do planeta -, é condição básica para que tenhamos direito a essa tal de felicidade.

Essa gloriosa sensação de bem-estar e plenitude pela qual vivemos obcecados, acaba sendo constituída por uma situação extremamente frágil e efêmera se, o que nos mover para alcançá-la for tecido apenas por recompensas individuais.

Dito assim, isso parece até meio óbvio. Mas não é. Isso é nossa maneira automatizada de lidar com as demandas da vida, regidos por um funcionamento vazio de conteúdo, de significado e de valor humano agregado.

O nosso alívio e solução para essa vidinha tacanha de trabalhar para juntar coisas, está justamente na mudança de foco. Olhar em redor com o mesmo interesse que olhamos para as coisas que tanto cobiçamos ter.

Sentir pelo conforto do outro uma responsabilidade voluntária e amorosa que nos faça dar um passo adiante; não em direção ao topo, mas em crescimento espiritual que nos envolva numa jornada menos solitária.

A vida é mesmo tão breve, não é?! E sendo breve, não precisa ser curta. Curta no sentido de passar voando a ponto de ficarmos perdidos numa vertigem de interesse autocentrado e frio.

Ser generoso é descobrir alegria em algo que se faz interessado no bem além de nós, sem nenhum interesse pessoal. Pode ser algo que, de tão simples, torna-se genial. Ouvir. Enxergar. Compartilhar. Silenciar. Oferecer. Respeitar.

Na dúvida, seja generoso. Esqueça as desculpas prontas de falta de tempo, excesso de obrigações e escassez de recursos. Na certeza, seja ainda mais! Afinal, é na partilha que multiplicamos a chance de encontrar o real significado da vida; uma vida plural que venha nos salvar desse isolamento afetivo que nos endurece e paralisa.

Nota da página: A imagem de capa- meramente ilustrativa- é do filme espanhol Cuerdas: curta-metragem de Pedro Solís Garcia

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS





Ana Macarini
"Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!"

COMENTÁRIOS