Mexa-se! A vida não tolera inércia!

Espere sentado para não cansar! Quantas vezes já ouvimos essa expressão, ou a dissemos, na intenção de afirmar que nada iria mudar.

E é desse jeito a vida. Esperar sentado não leva ninguém a lugar algum. A vida só responde a ações! De outra forma, ela deixa claro que nada vai mudar, que a única alternativa é sentar e aceitar.

Ação! Se a gente quer a vida tome outra direção, se quer mudar, virar do avesso, contrariar o que se costuma chamar de azar, a resposta está em cada movimento que fazemos na direção desejada. Pequenos, gigantes, rápidos, homeopáticos, agressivos, tímidos… Sejam quais e como forem, são os movimentos que fazem a roda girar.

Mudar de calçada, corte do cabelo, mensagem pessoal, respostas habituais… Tudo é ação e em seguida, virão as reações.

Se o tédio invade a vida e tudo torna-se mais do mesmo, somente uma guinada no ritmo monocórdio será capaz de alterar esse cenário.

Aquele telefonema que era para ser feito há tempos atrás, a pendência de uma promessa ainda não cumprida nem justificada, o conserto da fechadura, os tecidos novos para cortinas… Se a gente não faz, não tem resultado. A inércia paralisa, empoeira e mofa nossas determinações.

Em sentido contrário e em alta velocidade desfilam as respostas da vida a quem se propõe tentar, arriscar, errar, retomar, perguntar, se virar.

A vida gosta de quem anda com ela, sem preguiça, sem medo, sem hesitação. Ou até, ainda com tudo isso, mas sem se entregar à paralisia.

Um cumprimento recebe outro de volta.
Uma tentativa, a resposta possível.
Uma aventura, as emoções correspondentes.
Uma aproximação, o calor do momento.

A vida não deixa quem se mexe sem resposta.
Ainda que não seja a resposta sonhada, num próximo movimento será possível entender o porquê, e assim por diante, numa dança de ritmo individual e contínuo.

COMPARTILHE
Emilia Freire
Administradora, dona de casa e da própria vida, gateira, escreve com muito prazer e pretende somente se (des)cobrir com palavras. As ditas, as escritas, as cantadas e até as caladas.



COMENTÁRIOS