Mãe do contrário

Por Carolina Vila Nova

Como mãe você sonha que seu filho vai ser médico. Seu filho sonha ser cabeleireiro.

Você sonha que sua filha vai ser modelo. Sua filha sonha com matemática.

Você sonha que seus filhos serão ricos. Seus filhos só querem ser felizes.

Eu e minha mãe somos muito diferentes. Eu e meu filho também.

Minha mãe faz tudo para os filhos, abdicou de sua vida para os mesmos. Eu não abro mão da minha. Meu filho ainda não tem filhos.

Minha mãe nunca teve vida noturna. Eu adoro uma balada. Meu filho é mais caseiro.

Minha mãe não deixa de ir à igreja orar pelos seus filhos e pelos filhos do outros. Eu oro em casa. Meu filho no momento não ora.

Minha mãe é conservadora. Eu sou vida louca. Meu filho às vezes parece um monge.

Minha mãe sonhou me ver casada, certinha e recatada. Casamento pra mim não deu. Meu filho ainda não fala sobre isso.

Nunca fui o que minha mãe esperava que eu fosse, mesmo assim ela tem o seu orgulho. Meu filho não é como eu achei que ele seria; eu não me importo. Eu possivelmente não sou o que meu filho esperava.

Minha mãe se chateia pela inconstância de nossas conversas. Eu me chateio por meu filho não conversar tanto comigo. Meu filho, por sua vez, deve se chatear porque a mãe fala (e escreve) demais.

Quando minha mãe quer falar de um sermão, eu quero falar de uma festa, meu filho de um vídeo de ioga.

Quando minha mãe sonha pra mim um casamento ou um príncipe encantado, eu estou sonhando com o Gianecchini. Meu filho está meditando.

Uma é par, a outra é ímpar, o outro é número primo.

Amor não precisa de afinidade. Amor está na certeza da aceitação, do orgulho, da confiança e do bem recíproco que se deseja um ao outro. Amor se encontra na gratidão, pelo simples fato do amor ter existido. Na divergência dos sonhos que se tornaram outros.

Nesse dia das mães, para todas as mães diferentes de seus filhos: o meu mais sincero “Parabéns”!

Porque o amor não é mais fácil quando há diferenças, mas pode ser que seja o mais forte que existe, pois nos obrigada a lutar contra tudo o que acreditamos, em nome de uns e outros, que acreditaram em tudo ao contrário.

Feliz dia das mães pra você, que assim como a minha, teve que amar uma filha difícil, diferente do que ela esperava.

O amar o cabeleireiro no sonhado médico, a modelo na professora de matemática, a (nada) “tímida e recatada” na escritora atrevida que se formou.

Parabéns à todas as mães de seus contrários!

E de seus raros iguais!

Parabéns, mãe!

mae do contrario

COMPARTILHE
Carolina Vila Nova é brasileira. Tem cidadania alemã, 40 anos. Escritora e Roteirista. É autora dos seguintes livros: “Minha vida na Alemanha” (Autobiografia), “A dor de Joana” (Romance), “Carolina nua” (Crônicas), “Carolina nua outra vez” (Crônicas), “Vamos vida, me surpreenda!” (Crônicas), “As várias mortes de Amanda” (Romance), “O dia em que os gatos andaram de avião” (Infantil), “O milagre da vida” (Crônicas) e "O beijo que dei em meu pai" (Crônicas). "Nosso Alzheimer." (Romance), Disponíveis na Amazon.com e Amazon.com.br



COMENTÁRIOS