Longe de casa: quando a crise chega e o coração aperta

“Passeando” por grupos de brasileiros que residem em países estrangeiros, encontrei uma matéria de um site direcionado a brasileiros que vivem na Alemanha chamado Gustl Rosenkranz, pensamento livre.

Nessa matéria tenho dois objetivos:

O primeiro é indicar o site, uma vez que, só quem vive fora sabe da necessidade de manter conexões com a língua materna, encontrar conteúdo relevante e que possa ajudar na adaptação.

O segundo, é reproduzir o artigo intitulado: Vida de emigrante: quando a crise chega e o coração aperta.

Nesse caso, entendo o artigo como válido para qualquer pessoa que está longe de casa, por isso adaptei o título aqui na CONTI outra.

Achei o material muito relevante. Espero que gostem também.

Vida de emigrante: quando a crise chega e o coração aperta

A mudança de país é algo marcante na vida de qualquer pessoa. Sair de sua terra natal para viver em outro canto do mundo é, com certeza, uma experiência enriquecedora, que faz com que se abra mais a mente, ampliando nossa visão do mundo. Mas isso não significa que tal decisão traga somente consequências positivas. Principalmente, mas não somente, quando a cultura local é muito diferente, quando não se fala o idioma do lugar, quando o clima atinge extremos até então desconhecidos por nós e quando damos tal passo sem uma devida preparação, a emigração tem também um lado duro, que pode abalar muito o migrante, não somente no que diz respeito a problemas cotidianos, mas mexendo também com seus sentimentos, seu espírito e até mesmo sua maneira de ser. A pessoa pode se sentir extremamente perdida e deprimida, com a sensação de ser um “peixe fora d’água”, podendo fazer com que largue tudo e termine voltando para o Brasil.

Praticamente todo migrante passa, mais cedo ou mais tarde, por uma crise séria, cuja intensidade depende de diversos fatores, alguns aparentemente insignificantes, e essa crise jamais deveria ser subestimada, pois seus efeitos podem ser preocupantes e levar a uma situação grave de insegurança existencial. E caso você ainda não emigrou, mas está pensando em fazê-lo, é importante que tenha consciência disso, integrando esse assunto nos seus preparativos. Se tiver consciência dessa crise, pela qual você passará com altíssima probabilidade, conhecendo suas causas e não a subestimando, você terá melhores chances de pelo menos amenizá-la. Saber que migrantes passam por tal crise lhe dará a chance de aprender a lidar com ela. E aqui é recomendável tomar uma postura de serenidade e sobriedade: quando sua crise chegar, é importante ter em mente que você não é o único nem o primeiro que passa por isso e que muitos outros a superaram – o que mostra que você também poderá sair dela (serenidade) e não adianta achar que isso jamais acontecerá com você (sobriedade). Com base em minha própria experiência, mas também na de outros migrantes que tenho conhecido e acompanhado ao longo dos anos, vou tentar aqui abordar esse tema, alertando sobre algumas “armadilhas” que favorecem e intensificam a crise e apontando algumas estratégias práticas que podem ajudar a superá-la mais facilmente.

O primeiro passo: saiba e aceite que a crise existe!

Ao chegarmos a um lugar novo, por exemplo, na Alemanha, que é praticamente um mundo totalmente diferente do Brasil, com outra realidade, outra mentalidade e até mesmo outro nível de desenvolvimento, ficamos primeiro deslumbrados com tantas novidades, tudo nos encanta (ou mesmo nos assusta!) e ficamos tão ocupados com tal deslumbramento que nos esquecemos de perceber a dimensão do passo dado. Estamos cheios de planos, ideias e desejos, confiantes, otimistas e esperançosos, acreditando que tudo é uma questão de tempo até que nos sintamos em casa aqui nesta terra alheia. Sim, o encantamento prevalece e tudo parece uma maravilha. Chegamos com garra e enfrentamos os primeiros problemas com muita força de vontade e perseverança: arrumar moradia, aprender a usar o transporte coletivo, se matricular em uma escola de idiomas, fazer amizades, procurar trabalho, etc., etc., etc. Mas nem tudo dá certo, os primeiros problemas vão surgindo, a saudade bate forte, a solidão pode ser grande, o dinheiro acaba, o trabalho almejado não deu certo, alguns dos novos amigos nos decepcionam, a burocracia vai aumentando, há problemas com o visto, os empecilhos freiam nosso projeto de emigração e nos deparamos com uma certa falta de possibilidades. A comida diferente, que no início era gostosa por ser novidade, não sacia mais a vontade de comer “pão de queijo” ou “goiabada”, não se entende os programas de televisão, o inverno é escuro e bem mais severo do que se imaginava. E as pessoas, tão diferentes, com outra mentalidade, com outro humor, com outra forma de pensar e ver o mundo… E assim por diante. A energia vai sendo gasta, o entusiasmo vai desaparecendo e, no final, você já nem sabe direito o que realmente quer, se vê em um dilema, sem saber se fica ou volta para o Brasil. Como ficar, se a saudade é forte, se as dificuldades são muitas e se o frio acaba com seu ânimo? Mas como voltar, se você largou tudo para tentar uma vida fora, deixando emprego, família, amigos e tudo mais? O que fazer, pois, se ficar, se sente angustiado e fracassado, mas, se voltar, se sente mais fracassado ainda?

Acredite: todo mundo passa por isso, uns com mais, outros com menos intensidade, mas todo mundo que emigra conhece tal situação. E a depender da quantidade e da qualidade dos “probleminhas” acumulados, é só uma questão de tempo até o coração apertar, a força acabar e a “crise grande” começar. Por favor, não subestime isso. Muitos migrantes entram literalmente “em parafuso”, não conseguem ver mais uma luz no fim do túnel, alguns entram em depressão, se desesperam e há quem termine com problemas psíquicos sérios ou largando tudo e retornando para o Brasil da noite para o dia de uma forma impensada e precipitada.

Tenha consciência de que tais crises acontecem, mas não perca a coragem, pois as coisas vão tomando forma com o tempo. As dúvidas sempre irão existir, a saudade do Brasil jamais desaparecerá completamente e, quando bater a crise, tente superá-la da melhor forma possível, pois isso lhe fortalecerá – quanto melhor você superar a primeira crise, mas fácil será a superação das seguintes! Não tape jamais o sol com a peneira, aceite as coisas como elas são e você verá: tudo na vida passa. Também os momentos difíceis ;-)

Uma crise grande é normalmente uma soma de muitas crises pequenas!

Uma crise existencial ocorre, em minha opinião, como soma de um monte de crises menores, coisinhas pequenas do dia-a-dia, que subestimamos, que não tratamos com a devida atenção, que não resolvemos, que se juntam a um ou outro problema maior e viram algo sério. Por isso, é importante resolver as pequenas “crises”, para que elas nunca grudem umas nas outras, transformando-se nunca crise grande (=existencial). Não permita que as coisas se acumulem, tente resolver os “probleminhas” na medida em que forem surgindo, mas mantenha sempre a cabeça fria e administre bem suas energias, procurando fazer coisas que lhe façam bem e recarreguem suas baterias. Uma pessoa robusta (=baterias cheias) suporta uma crise com menos dificuldade do que uma pessoa fraca (=baterias vazias). Quando a coisa “emperrar”, não fique tentando resolver nada à força, nem batendo com a cabeça contra a parede. Se uma coisa não der certo hoje, talvez seja melhor parar, fazer outra coisa, recarregar as baterias e tentar novamente amanhã (ou depois!).

Isolamento: algo muito perigoso!

Busque contato, faça amizades, seja aberto e receptivo, interaja com as pessoas, mesmo que elas tenham uma mentalidade diferente da brasileira, mesmo que o contato no início seja um pouco difícil. Aprenda o idioma, pois isso facilitará muito sua integração e seu contato com as pessoas à sua volta. Tenha cuidado para não se isolar, para não passar muito tempo sozinho e para não achar que o mundo à sua volta tem algo contra você.

Mantenha o contato com sua família e amigos no Brasil. O importante é que a distância seja somente geográfica, mas nunca emocional. Não subestime o tempo. Toda relação tem que ser alimentada, portanto busque sempre o contato, deixe sua família participar de sua vida aqui, conte para eles como você vive. Pessoas no Brasil têm muita dificuldade de imaginar como é a vida na Alemanha. São “mundos” totalmente diferentes. Ficar sem contato com uma pessoa no Brasil por um tempo muito longo pode fazer com que os caminhos se afastem, que um parente (ou amigo) próximo vire uma pessoa estranha. E saiba de que esse contato, se tiver uma boa qualidade emocional, lhe dará força nos momentos difíceis, mesmo que a distância seja grande.
E quando tiver uma crise, converse sobre ela, busque ajuda da família, de vizinhos, de amigos, de outros brasileiros emigrantes ou mesmo ajuda profissional. Só não faça o erro de se recolher, se isolar e achar que tem que resolver isso sozinho. Tenha cuidado, pois isolamento é algo muito perigoso!

Tenha cuidado com os “falsos amigos”

Busque aqui relações verdadeiras e tenha cuidado com os “falsos amigos”, aqueles que ficam próximo para tirar algum proveito, sem lhe dar nada ou muito pouco, pois aqui a decepção é pré-programada e tal decepção favorecerá sua crise. Tenha cuidado também com aqueles que têm uma postura negativa, que reclamam de tudo e veem problemas em todo canto, falando mal do lugar e dos nativos, pois quem gosta de reclamar não quer solução (se o problema é resolvido, ele vai reclamar de quê, né?). Além do mais, gente assim não gosta de ser infeliz sozinha. Assim, essas pessoas farão de tudo para atrapalhar sua felicidade.

Seja realista: quanto maior a ilusão, maior será o tombo!

Não venha para cá iludido. E se você já veio, livre-se de suas ilusões. Ilusão termina sempre em desilusão, o que faz bem a qualquer crise, mas não a você.

Tenha paciência: todo início é difícil!

Tudo na vida passa, também as crises! Tenha paciência, serenidade e otimismo, pois sua crise também passará.

Talvez você seja do tipo de pessoa que quando quer uma coisa, quer logo, corre atrás, batalha, move morros e montanhas para conquistar o que quer. Perceba que essa impaciência (temperada com ansiedade) tem dois lados: um positivo e um negativo. É boa porque traz energia, impulsiona, faz com que as coisas aconteçam, sem demora, sempre o mais rápido possível. Penso que os impacientes são o pedal do acelerador do mundo. Mas a sede de velocidade termina causando aflição, agonia, estresse, sempre que as coisas não funcionam como se esperava, ou seja, quase sempre. Isso, por sua vez, gasta energia e termina freando o que antes foi acelerado. A impaciência deixa você meio cego para os detalhes, fechando os olhos para o novo e oportunidades. No final, você termina se sobrestimando e dando passos “errados” por não parar de vez em quando para ver o todo, porque a impaciência não dá o tempo necessário para isso. É importante aprender a domar a impaciência. O segredo aqui é permitir a impaciência como uma energia positiva e parar de vez em quando para ver os detalhes. E quando uma coisa não der certo, pare, respire fundo, descanse e esfrie a cabeça, ao invés de ficar tentando de novo, apertando a mesma tecla, batendo com a cabeça na parede, ou pior ainda: desanimando, se deprimindo, cansando, se esgotando e sem saber direito para onde ir, pois isso só alimentará sua crise.

Cuidado com álcool e drogas!

Um erro gravíssimo que muita gente comete é recorrer a bebidas alcoólicas e drogas para “disfarçar” os problemas. Isso não ajuda, pelo contrário, isso piora a coisa, pois só “anestesia” a crise, fazendo com que ela cresça ainda mais. Evite o consumo dessas substâncias em fases difíceis, ou melhor ainda: numa crise, você precisa é de energia. Busque então viver da forma mais saudável possível, saia de casa, pratique esporte, busque a natureza, respire ar fresco, evite drogas, álcool e tudo que lhe roube essa energia tão preciosa nesses momentos.

Veja a crise como uma chance

As coisas não estão dando certo? Você não sabe bem como seu projeto de emigração deve continuar? Veja então essa crise como uma chance de repensar seus objetivos, de fazer um balanço, de reconhecer onde a coisa está bloqueando, mas aproveite também para tentar descansar e recuperar as energias.

Cuidado com o fatalismo

Uma coisa que observo não somente em alguns brasileiros, mas também em outros latino-americanos, é um certo fatalismo, o acreditar que as coisas são como são, que nada pode ser mudado, achando que o sofrimento é destino, o que é uma bobagem, pois o destino de todo ser humano é ser feliz. Pense positivo, levante, arregace as mangas e vá à luta. E não coloque a culpa nos outros (nem nos alemães, nem no destino, nem na vida, em ninguém!). Você decidiu emigrar e tentar a vida em outro lugar. Portanto, a responsabilidade por sua felicidade e seu bem-estar é sua e não dos outros!

COMPARTILHE
Gustl Rosenkranz
Como já diz o nome de meu blog, escrevo fazendo uso de uma das liberdades mais essenciais que temos: a liberdade de pensar. Escrevo sobre o que passa por minha cabeça, sobre coisas que vejo, escuto e vivencio diariamente, enfim, escrevo sobre a vida e suas facetas, sobre o mundo e suas entranhas e sobre o ser humano, com seus sonhos, medos e esperanças. Escrevo sem “luvas”, tocando no assunto, menos preocupado em agradar do que em mexer com o leitor, de forma clara, até mesmo carinhosa, mas sempre suavemente subversiva e profunda.



COMENTÁRIOS