Livrai-nos de todo mal. Inclusive do mal amado.

Ô, Meu Pai. Olha teus filhos cá embaixo. Eu sei que é duro, com toda essa gente pedindo, mas faço uma fé danada que o Senhor não falta a ninguém. Sei aqui comigo que Deus ajuda a quem cedo madruga, a quem acorda atrasado, quem dorme tarde e a quem passa a noite acordado. A quem pede, acredita, trabalha e sai em busca o Senhor não falha, mesmo quando tarda. E eu tenho cá nas mãos um pedidinho à toa.

Não é o prêmio da loteria, não. Nem é emprego público, herança, restituição do imposto de renda. Não é dinheiro, que aqui não sobra mas o que falta a gente corre, corre e vai buscar. Também não é saúde. A minha vai bem, muito obrigado. Tem uma coisinha aqui, uma coisinha ali, mas tudo muito leve. O Senhor sabe. A gente adoece quando não come direito, não dorme direito, não ama direito. E apesar de não fazer direito nada disso, a saúde anda boa que só. Então, vai aqui a minha gratidão sincera. Graças a Deus!

Agora, o que eu quero pedir com empenho é muito simples. Está marcado no finalzinho da oração que o Senhor mesmo nos ensinou: “mas livrai-nos do mal…”.

Ah, Meu Deus! Se o Senhor me permite, eu tenho umas palavrinhas para encaixar bem ali, antes do “Amém”. É que a coisa por aqui anda meio enfezada, sabe? É “mal” que não acaba mais. Dá pra encher um volume do tamanho da própria Bíblia. Mas eu resumo. Para começar, livrai-nos de todo mal informado. Jesus! Como tem gente equivocada por estas bandas. Põe os pés pelas mãos, passa a carroça na frente do burro, confunde liberdade com libertinagem e essas coisas. Livrai-nos desse mal, Meu Pai.

Tem também o mal intencionado. Ô racinha! Sempre tramando, manipulando, maldizendo quem estiver perto. Capricha nessa hora, Pai Nosso! Livra teus filhos desse mal.

E os mal-humorados, então? Sempre distribuindo patadas, cuspindo má-criação, espalhando grosseria por todo canto. Primos-irmãos dos mal educados, os mal-humorados costumam confundir seu péssimo humor com alta inteligência. E dá-lhe baixaria! Então, por favor, Meu Pai, preserva também nossa alegria e nossos bons modos desse malfeito.

Leva também embora todo mal-estar, mal-entendido, mal olhado, mal agradecido. Tudo quanto é mal, o Senhor tenha a bondade de mandar bem longe.

E se não for pedir demais, começa nos libertando de todo mal amado. Porque é isso o que abre a grande porteira do desvio, né? Gente mal amada é capaz de tudo. Segue por aí cheia de maldade fazendo das suas. Mas tudo se inicia é na falta de amor.

Pois então, Pai Nosso, que estais no Céu, por favor dá a esse povo mal resolvido aqui embaixo um pouquinho mais de amor. E enquanto eles não tomarem jeito de gente, que fiquem bem longe da gente. Amém!
Fim da conversa no bate-papo

COMPARTILHE
André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.



COMENTÁRIOS