Liberdade

Aprendi quando criança que ser responsável era entregar o dever de casa na data solicitada e olhar para os dois lados da rua ao atravessar. Quem me ensinou isso foi a escola e os meus pais.

Com o passar do tempo, ser responsável passou a ser não faltar no trabalho por mais que sua cama esteja boa e, não dirigir bêbado, por mais que você considere que está apto para a corrida maluca do momento.

E assim permaneceu durante muito tempo minha concepção de responsabilidade, se atendo ao cumprimento das minhas obrigações e me mantendo viva.

O interessante sobre este último viés é que, com o tempo, mesmo que ainda muito limitadamente perto do significado verdadeiro, houve uma evolução. Antes, a menina desatenta tinha apenas que olhar para os dois lados da rua e se preocupar consigo, hoje ela já olha para os dois lados da rua preocupada com os pais, amigos e até uma senhorinha que se locomove bem devagar.

A noção de responsabilidade, naturalmente, expandiu com a noção da vida em sociedade.

No entanto, o que a escola não ensina, nem os pais e nem a vida em sociedade ensinam é o verdadeiro significado de responsabilidade. O que significa que o receptor principal ainda é você, mas por outra lógica, pela lógica do outro.

Desnude-se do egoísmo de querer se salvar e a quem você ama, ou do medo de levar ocorrência ou perder seu emprego. Tire sua convivência em sociedade e as regras mínimas por ela impostas. Você ainda vê alguma responsabilidade?

Sim, eu vejo. A única verdadeira. Aquela que significa liberdade

A responsabilidade sincera, de quem sabe que tem responsabilidade com o mundo, mesmo sabendo que o mundo não responderá com reciprocidade. É a responsabilidade de assumir a consequência dos seus atos porque, sinceramente, não existe outra pessoa que assumirá.

Mas, principalmente, trata-se da responsabilidade com o outro, porque a diferença entre você e o outro é uma questão de posição, um na frente e outro atrás, da película do espelho.

Por que então o receptor principal ainda é você? Porque ninguém faz nada com o outro, sem antes ter feito consigo mesmo. Toda raiva, dor, desamor que é transmitido de uma pessoa a outra foi, antes de mais nada, sentido e sofrido por este alguém.

Entendo que tudo se resume a energia. Aquilo que Você emana, antes de externalizar, teve como fonte criadora você, e você é você, mas também é o outro e todos juntos, desde a criação desta energia até………..

Tome e aceite responsabilidade por tudo que você faz, e pelo que o outro faz a você.

Dói?

Não é para doer, é para se ter consciência de que somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos, ou não…por aquilo que plantamos, ou não…

Mas que principalmente está somente em cada um de nós, e em nós todos, o poder e a força para mudar!

E isso, além de uma tremenda sorte, é ser livre, como ninguém que coloca no outro a responsabilidade por sua ações um dia será!

Amém!

Até mesmo porque, já pensou depender daquele velha mente com opinião formada sobre tudo, para poder ser você?

10363364_674853899246818_2945946406166328284_nMarcella Starling

É mineira e paulista de coração. É advogada e estudante de economia. Está tentando ser aquela pedra jogada ao rio, que gera pequenas ondas ao redor.

Leia mais textos da autora em seu blog The Shrinking Pants 

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS