A intimidade é linda. O que a gente faz com ela, nem sempre.

Imagem de capa:  Jacob Lund, Shutterstock

Ahh… essa vida tem cada uma! Então logo eu, tão afeito a viver só, virar noite no trabalho, acordar cedo e dormir tarde, de repente dei de sonhar com você e eu dormindo agarrados, juntos feito conchinhas.

Sabe Deus por que motivo. Mas aqui comigo eu penso que a razão é simples. Deve ser porque dormir em paz é coisa que a gente faz de consciência limpa, na solidão de cada um ou junto de quem nos faz sentir amor. Dormir pesado em companhia certa é um exercício de leveza e profunda intimidade. Só acontece entre almas que lá pelas tantas, de alguma sorte, se aproximam, se unem, se ajudam e caminham adiante.

Confesso. Eu ando carecido de pegar no sono sob seu olhar amoroso, acordar e encontrar você ali, me esperando para um dia novo. Eu dou conta. Estou pronto. Faço jus ao nosso acordo tácito de bichos íntimos. Prometo amar e respeitar a nossa intimidade, prima-irmã da compreensão e da confiança, filha amada do respeito, companheira da ternura.

Você sabe. A intimidade é tão bonita! Pobre de quem não reconhece. Não sabe o que está perdendo. Há quem a trate com desprezo, atrevimento, abuso. Esses a perdem, enferma, em lençóis manchados de desleixo, sobre camas puídas de descuido e indiferença, atravancando um quarto escuro e empoeirado.

Intimidade não sobrevive sem estima, sem apreço. Como a planta que carece de água e luz e terra boa, intimidade só perdura, floresce e ramifica se for regada de atenção e delicadeza.

Quem diz que a intimidade é o que estraga um namoro, um casamento ou coisa parecida não sabe do que fala. Que culpa tem a intimidade se o casal não sabe usá-la como deve?

Ahh… gente íntima. Ocupa com cuidado o espaço do outro que a intimidade torna seu. Duas almas quando se fazem íntimas se respeitam e se libertam, não se intimidam nem se prendem. Ser íntimo é viver dentro do outro e deixar o outro viver dentro de mim. É preciso apreço e dedicação. Se vivo em alguém, respeito quem me recebe. Se deixo o outro viver em mim, o recebo com gratidão e gentileza. É tão simples. Sejamos íntimos e dedicados. Amorosos e felizes. E que a intimidade nos seja linda para sempre.

COMPARTILHE
André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS