Fé na Humanidade

Por Elika Takimoto

Hoje fiz uma coisa extremamente inusitada e arriscada: algo que poderia acabar com a minha esperança na humanidade ou fazer com que eu desistisse de minha profissão ou algo que o valha. Coloquei o meu humor em risco. Para quem não sabe, sou professora de física, matéria essa conhecida pela sua aridez, pelo mal estar que a véspera das provas causa nos jovens e pelas piores médias em várias escolas do mundo. Ontem peguei as provas dos meus alunos para corrigir. A intenção era entregá-las hoje para eles e explicar questão por questão no quadro apontando os erros cometidos pela falta de atenção, de habilidade ou pela falta de estudo mesmo. Ao ver aquele monte de testes na minha frente, lembrei-me de minha filha – que é minha aluna desde o ano passado – reclamando do quão chatas são essas aulas em que corrijo a prova em sala de aula. Nara entende que é necessário esse tipo de coisa, mas sempre fez questão de deixar claro que não fica feliz quando é submetida a isso.

É muito desconfortável essa situação, a dizer, ver sua filha reclamando da professora-chata e a professora-chata ser eu mesma. Entendo que a Nara verbalizou algo que reflete o que todos os outros pensam mas, por falta de intimidade, coragem e excesso de noção esses outros nunca me falaram que sou insuportável em determinados dias.

Como fazer com que esse procedimento de correção de prova seja algo super interessante, mega maneraço e giga útil para todos? E se eu entregasse a prova para eles mesmos corrigirem, se avaliarem, pontuarem o que fizeram e darem sua própria nota? Pode isso, Arnaldo, aluno corrigir sua própria prova? Você está louca, Elika? Ainda não sabe que não podemos confiar nos seres humanos? Não sabe que aluno é tudo safado e só quer se dar bem? Vai dar essa responsabilidade para esse bando de adolescentes? Elika, me ouve, esquece isso… vai chover nota dez… Mas… não seria uma boa maneira de todos prestarem atenção na correção e observarem atentos os seus erros e acertos? Há melhor avaliação do que a feita por nós mesmos? Há melhor aprendizado do que enxergarmos com nossos próprios olhos o que e onde erramos? Encarar de frente as nossas deficiências não é uma das melhores formas de amadurecermos? Por que não dar essa oportunidade para eles? Vai que…

Tomei coragem e hoje às sete da manhã estava com uma turma de cinquenta alunos boquiabertos recebendo as provas que fizeram, as instruções de como as corrigiriam e o meu voto de confiança. Primeiro de tudo seria bom que usassem caneta vermelha ou de outra cor diferente da usada na resolução da prova; se houver questão em branco, gente, coloquem ‘NF‘ para eu saber que vocês Não Fizeram; para cada questão que eu resolver no quadro eu apontarei o quanto vale cada etapa dela, portanto, prestem atenção em cada parte da correção; questões objetivas são tudo ou nada, essa é a regra… preparados? Ah! Lembrem-se: eu avalio o que está escrito e não o que vocês sabem, isso é muito importante vocês terem em mente. Observem se com o que vocês escreveram eu consigo avaliar seu aprendizado, certo? Podemos começar?

Que alegria viver!

Os alunos nunca participaram tanto e estiveram  tão atentos às minhas aulas de correção de prova como hoje. As notas? Surpreendam-se: houve notas muito baixas, notas médias e notas muito altas. Super dentro do normal. Ao ver o que eles fizeram com caneta vermelha, vi muitos NFs, ou seja, eles tiveram toda oportunidade de escrever algo na questão que deixaram em branco, mas foram extremamente honestos. Em muitas questões, li na própria correção deles  “lerdo”, “para deixar de ser burro”, “uhuuuullll! acertei!!!!!”, “como errou isso???” e coisas do tipo que qualquer professor tem vontade de escrever para um aluno quando corrige a sua prova, mas é freado pelo crivo da ética e do politicamente correto.

Devo confessar. Como era a primeira vez que fazia isso me precavi. Fotografei todas as provas deles frente e verso e corrigi todas elas antes de que eles o fizessem. Anotei o que pontuei para cada questão. Tive um trabalho muito maior do que teria se tivesse simplesmente corrigido diretamente as provas e feito o que sempre fiz. Nem precisava. Comparei as notas dadas por eles com as minhas e não percebi nenhuma diferença que pudesse apontar como suspeita. Da próxima vez, acho que nem me darei esse trabalho em excesso. Já dizia Gandhi: “Nunca perca a fé na humanidade, pois ela é como um oceano. Só porque existem algumas gotas de água suja nele, não quer dizer que ele esteja sujo por completo.” Eu sempre ouvi o indiano com os olhos ao ler essa famosa frase, mas agora passarei a fazê-lo com o meu coração.

Estou mega feliz! Menos com a minha coragem e muito mais por poder testemunhar o caráter dos jovens do meu Brasil.

COMPARTILHE
– Segunda colocada no 1º Prêmio Saraiva: Literatura, categoria: crônicas.– Doutora em Filosofia pela UERJ.– Mestre em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia pela UFRJ.– Graduada em Física pela UFRJ, professora de Física do CEFET/RJ.– Autora dos livros:1- História da Física na Sala de Aula – publicado pela Editora Livraria da Física.2- Minha Vida é um Blog Aberto – será lançado agora no segundo semestre pela Editora Saraiva.3- Isaac no Mundo das Partículas – livro infantil sobre Física de partículas e filosofia da ciência para crianças. Ainda não publicado.4- Como Enlouquecer seu Professor de Física – um livro sobre Filosofia da Ciência para jovens e adultos. Ainda não publicado.5- Filhosofia – um livro de crônicas sobre seus três filhos, ainda não publicado.6- Tenso, logo escrito – um livro de crônicas escritas motivadas pelo sofrimento. Ainda não publicado.7- Penso, logo escrito. – um livro de crônicas onde há muitas reflexões. Não publicado.8- Eu conto – Um livro de contos. Ainda não publicado.9- O que há de Metafísica na Física? – A sua tese de doutorado que futuramente virará livro.



COMENTÁRIOS