Existir é pouco. Viver é a arte de resistir.

Imagem: Vadim Vexler/Shutterstock

A gente resiste. O tempo passa, a idade chega, uns vão, uns ficam, outros voltam, outros não. E a todas essas a gente insiste, sobrevive, suporta. Resistir é a nossa aptidão mais honesta, nossa vocação mais admirável.

Não há ser vivo neste mundo que não guarde em si a disposição de lutar pela vida. Um dia há de perdê-la por aí, dobrado pelo cansaço e pela dor. Mas até que esse dia chegue, todo bicho que vive resiste a tudo, perdura, persiste, vai em frente.

Enquanto há vida e há vontade, resistir é o trabalho mais bonito da gente, do recém-nascido ao velho mais velho. Quem já viu um bebê prematuro brigando para viver, sabe. Sozinho na incubadora, impõe sua vontade inconsciente, reage, enfrenta, espera. Paciente, dedicado, supera um dia depois do outro, ganha peso, ganha força e vem ao mundo.

Aqui, entre bilhões de outros seres iguais a ele, vai lutar e resistir à infância, engasgar com a comida, perder os dentes, bater a cabeça, enfaixar o braço. Vai inalar e engolir tantos vírus, viroses e bactérias e arder de febre em tantas noites de hospital sob o olhar aflito de quem o ama.

Vai superar a juventude, enfrentar hostilidade, insegurança, rejeição. Vai amar e ser amado, deixar e ser deixado.

Sozinho como na incubadora da maternidade, vai reagir e ganhar força. Vai aprender a se guardar das investidas e ofensivas de toda parte, inclusive aquelas que vêm de nós mesmos. Vai se ferir e se curar sozinho, vai pedir ajuda e oferecer auxílio. Vai envelhecer e perder os pais, irmãos, amigos, parentes, um depois do outro.

Lá no fundo da alma, vai sentir que o amor é só o que fica, o que vale e o que nos salva quando a saudade aperta.

E a tudo isso vai resistir, ora com bravura, ora tomado de medo. Vai sobreviver! Até que lhe reste o último grama de força, até o limite de seu tempo vai lutar e persistir e viver para sempre na lembrança dos que o amaram.

Porque a vida, ahh… a vida é um poderoso exercício de amor. Quanto mais a gente ama, mais resiste a tudo. Ao tempo, ao abandono, à falta de afeto. A vida é uma linda teimosia, uma bela insistência, um empenho sublime. E os que resistem praticam o seu ofício mais bonito.

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.

COMENTÁRIOS