Emma Bianchini e a Arte Naif

O termo Arte Naïf foi pela primeira vez utilizado, no virar do século XIX, para identificar a obra de Henri Rousseau, pintor autodidacta admirado pela vanguarda artística dessa época, que incluía gênios como Picasso, Matisse e Paul Gauguin, entre outros.

Com esta gênese, a Arte Naïf começou a afirmar-se como uma corrente que aborda os contextos artísticos de modo espontâneo e com plena liberdade estética e de expressão e os seus seguidores definem-na hoje como “a arte livre de convenções”.

A Arte Naïf é concebida e produzida por artistas sem preparação acadêmica específica e sem a “obrigação” de terem de utilizar técnicas elaboradas e abordagens temáticas e cromáticas convencionais nos trabalhos que executam. Isto não significa que não estudem e aperfeiçoem de modo autodidáctico e experimental o desenvolvimento das suas obras, e não implica que a exigência de qualidade das mesmas seja inferior.

A capacidade artística é um dom inato no ser humano e não existem técnicas, regras ou dogmas que, quando ele realmente está presente, lhe possam atrofiar qualidade e retirar valor.

A Arte Naïf não se enquadra também na designação de Arte Popular, diferindo dela na medida em que se trata de um trabalho de criação individual que apresenta peças artísticas únicas e originais.

Caracteriza-se em termos gerais por uma aparente simplicidade e pela liberdade que o autor tem para relacionar ou desagregar, a seu belo prazer, determinados elementos considerados formais; a inexistência de perspectiva, a desregulação da composição, a irrealidade dos factos ou a aplicação de paletas de cores chocantes. A Arte Naïf exprime ainda, de um modo geral, alegria, felicidade, espontaneidade e imaginários complexos, resultando, às vezes, todo este conjunto numa beleza aparentemente desequilibrada mas sempre muito sugestiva.

Alguns críticos afirmam que, contrastando com os ” acadêmicos”, que pintam com o cérebro, os ” ingênuos” pintam só com a alma. Esta parece ser a verdadeira essência do Naïf, claramente o estilo de quem já nasce com o dom de ser artista…

As imagens desse artigo mostram o trabalho de Emma Bianchini, artista que se permite criar festivas e lúdicas cenas de campos, fartas colheitas e crianças felizes de férias em praias encantadoras. Seus temas “Naifs” nos presenteiam com um mundo rico e bonito e nos remetem a um tempo de relaxar para só curtir sua alegria de Vida.

Emma pinta desde cedo, mas aprimorou sua técnica na Escola Panamericana de Artes em 1982 e concluiu seus estudos na Escola de Artes Marilia Fairbanks Maciel em 1984. Participou de muitas exposições e recebeu várias vezes menção honrosa pela qualidade de sua obra. Emma gosta de ressaltar o quanto ama o que faz, e como a pintura a deixa feliz e realizada.

Contato:
https://www.facebook.com/emma.bianchini.9?fref=ts

Fontes:
http://allartsgallery.com/pt-PT/naif
http://www.viladoartesao.com.br/blog/2010/08/o-naif-e-a-graca-da-pintura-de-emma-bianchini/#.UOsyL90bq5g.facebook

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS