Nem toda mãe é boa

Por Josie Conti

Cuidar de um outro ser humano exige um grau de desprendimento que nem todos são capazes de ter. Apesar do peso cultural e dos estereótipos historicamente transmitidos, nem toda mãe é boa, nem todo pai protege, nem todo amigo, marido ou esposa é fiel. As pessoas têm alterações de humor durante todo o dia, durante os meses, durante a vida. Ninguém é só bom ou só ruim. Sentimos ódio e desprezo, temos momentos de arrogância e insensatez. Somos vítima e algoz. Somos quem o momento permite.

Penso que esse é o ponto pois é sempre mais confortável “atirar a pedra” no outro, visualizar a fraqueza do outro.

E nós? Reconhecemos, por exemplo, que podemos não querer ter filhos? Reconhecemos que podemos não querer ser fiéis a um casamento onde o pacto é de respeito mútuo?

Existe uma hipocrisia social, uma mensagem de bondade, pureza e caridade que é apregoada aos quatro cantos do mundo. Porém, ser “bom” não deveria ser um conceito unilateral. É correto sermos bons com os outros enquanto nos tolhemos de nossos próprios sentimentos? Ou, ao contrário, sermos injustos com o outro para que nossa máscara não caia e não tenhamos que assumir que não somos exatamente o que a sociedade espera ou o que nós mesmos idealizamos?

Gente vazia me cansa, futilidade me dá nojo, burrice me dá preguiça. E daí? Sou menos competente ou humana no que faço por ter esses sentimentos?

Precisamos ser mais sinceros, o que não quer dizer grosseiros, mas sinceros com o que queremos e sentimos.

A cordialidade é necessária sim. A politicagem, em algumas situações também, mas passar a maior parte de nossa vida vestindo uma máscara é a maior receita para a depressão, para a ansiedade e todos os outros sintomas correlatos que estão tão “na moda” na sociedade atual.

COMPARTILHE
Josie Conti
Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, conjuntamente com sua equipe, trabalha prioritariamente na internet na administração funcional, editorial e publicitária de redes sociais e sites como CONTI outra, A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 9 milhões de usuários. Também escreve para a Revista Contemporânea Brasil. É um exemplo de pessoa que mudou de profissão da área de atendimentos clínicos em saúde do trabalhador para reconstruir seu próprio caminho como editora de sites e blogueira. A formação em psicologia com passagens e especializações nas áreas da psicopedagogia, neuropsicologia, recursos humanos, clínica e saúde do trabalhador nunca foram perdidas e são utilizadas diariamente na escolha dos materiais, seleção de colunistas, em seus textos e vídeos . Acredita que a universidade deve ser um degrau construtor de conhecimento e senso crítico, mas nunca a definidadora de uma vida.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS