Desabafar não é falar mal

Falar, esbravejar, chorar, reclamar. Por mais equilibrada que seja a pessoa, um dia ou outro, ela terá que desabafar. O desabafo tira de nós o peso que nos consome, ajuda a organizar nossos sentimentos e participa do processo de alinhamento e construção de novos pensamentos.

Durante o desabafo reduzimos as censuras, procuramos culpados, canalizamos nossa agressividade. As barreiras têm que ser removidas, as comportas abertas. Assim, livres de convenções sociais, novos caminhos são desbravados para que o assunto indigesto possa fluir.

O segredo do desabafo, porém, reside na escolha do ouvinte: é preciso ter muito cuidado com o que e para quem algo tão nosso- e nem sempre muito bonito- é dito. A escolha de uma pessoa que podemos confiar é o que diferenciará o desabafo da fofoca. Um amigo acolhe, ouve mais do que fala e, quando muito, aconselha. Um amigo saberá diferenciar a necessidade da escuta vem juizo de valor e entenderá que palavras duras podem fluir de um momento em que os sentimentos estão confusos. Um amigo, acima de tudo, não repassará para outro o que foi dito em confidência e num momento de tamanha fragilidade.

Temos que ter clareza de quem são nossos amigos. Temos, também, que saber a quem devemos acolher e ouvir. Não é justo que escutemos alguém por obrigação se nossa escuta não puder ser afetuosa. Não é honesto que escutemos apenas para levar adiante.

Presenciar um desabafo é um ato de responsabilidade: se você não tem maturidade para ouvir, não dê abertura.

Se todos tivéssemos a consciência do valor e do significado de nossas palavras, seríamos mais justos com elas, seríamos mais justos com nós mesmos, seríamos mais justos com o outro que habita a nossa convivência diária.

Na próxima vez em que precisar desabafar, lembre-se que o desabafo, para ser legítimo, é via de mão dupla. Se assim não o for, você estará apenas emanando agressividade e criando espaço para fofocas.

Nota: Esse texto é uma homenagem para minha prima Cláudia, que me disse a frase do título e que me fez pensar profundamente sobre ela.

Imagem de capa: Gregory Colbert

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Josie Conti
Influenciadora digital. É idealizadora, adminstradora e porta-voz do site CONTI outra. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 10 milhões de usuários fidelizados entre seus seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Psicóloga formada há mais de 15 anos, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de formação e atuação como educação, clínica, recursos humanos e saúde do trabalhador. Hoje, utiliza o conhecimento adquirido para seleção de pessoal e de material adequado aos sites, realiza vídeos, palestras, dá entrevistas e escreve para diversos canais digitais. Seu trabalho na internet tornou-se referência tanto pela expressividade quanto pela qualidade. Em 2017, foi convidada para falar sobre conteúdo de qualidade no evento “Afiliados Brasil” de São Paulo, à convite da Uol, pois o CONTI outra foi considerado um dos melhores sites de conteúdo ligados a empresa.

COMENTÁRIOS