Dedicar-se

Adoro a frase de Saint Exupéry em “O Pequeno Príncipe” que diz “foi o tempo que dedicaste a tua rosa que a tornou tão importante”. Cada vez mais tenho apreciado a dedicação, seja lá a que for. Uma semente leva tempo para se transformar em planta, flor ou árvore. Uma mulher grávida precisa esperar nove meses para encontrar com seu bebê. Uma criança frequenta por catorze anos uma escola para adquirir todos conhecimentos necessários para o futuro.

Exatamente porque sabemos disso, muitas vezes, ficamos com preguiça de iniciar coisas importantes, pode ser uma dieta, voltar a estudar ou se dedicar a um novo hábito ou hobbie. Acredito que a grande chave está no prazer pela coisa em si.

Todas noivas emagrecem porque elas querem estar magérrimas para o casamento. Este motivo por si já as inspira e elas se dedicam com alegria. A dieta deixa de ser um martírio e se transforma em uma nova consciência. Uma nova forma de viver as estimula.

“Paciência não é a habilidade de esperar, mas sim, a capacidade de ter uma atitude positiva enquanto se espera.” – Joyce Meyer
A única certeza que temos da vida é que a morte chegará para todos nós. Nosso grande dilema é como gastar nossos dias de vida.

Para descobrir nosso próprio exilir da existência não há nada melhor do que se dedicar a algo que gostamos. Com o passar do tempo e dedicação, colhemos seus frutos. Mas os frutos não são o mais importante. O que vale é o caminho, os progressos no decorrer, as descobertas e o tempo ao que nos entregamos a uma tarefa que desperte nosso interesse, o prazer provado a cada evolução e a beleza simples no processo.

Não se cobre tanto por não se dedicar a algo que gostaria, porque quando queremos alguma coisa de verdade, fazemos de verdade. Não por pressão, não porque “temos que”, mas sim porque queremos e sentimos um baita prazer em fazê-lo. Se você não está se dedicando a algo como gostaria, talvez o problema não esteja em como você está fazendo e sim no que está fazendo, porque quando nos jogamos com dedicação, no que quer que seja, nós conseguimos.

COMPARTILHE
Helena Verhagen
Helena é jornalista de formação e escritora por intuição. Nasceu em São Paulo, viajou pelo mundo e agora parou em Lisboa. Em 2015 lançou seu primeiro livro "O Mundo é das Bem-Amadas" que trata sobre o amor próprio e intuição. Vive a vida para contar histórias. Escreve para o seu site, que leva o mesmo nome do livro (www.omundoedasbemamadas.com.br) e outras mídias que abordam sobre o tema autoconhecimento.



COMENTÁRIOS